TELECOM

Oi inclui fibra para obter até R$ 22,8 bilhões com venda de ativos

Ana Paula Lobo* ... 16/06/2020 ... Convergência Digital

Em fato relevante divulgado no final da noite desta segunda-feira, 15/06, A Oi revelou o aditamento do plano de recuperação judicial e confirmou a venda de ativos, entre eles, a Oi Móvel, que já tem como interessados, Vivo e TIM e a Claro. Objetivo da Oi é conseguir R$ 15 bilhões com a venda do ativo, mas não há ainda prazo para a sua venda. Oi também vai vender data centers e, a principal surpresa, ativos de fibra, que tem sido a principal estratégia da companhia de recuperação.

O modelo será o de separação estrutural, que permite a constituição de entidades separadas, que a companhia diz permitir a constituição de unidades individualizadas para investimentos, operação e manutenção da infraestrutura de telecomunicações. Na prática, a Oi espera arrecadar R$ 22,8 bilhões com a soma da venda da divisão móvel, de data centers, torres e da unidade de infraestrutura.

A Oi definiu ainda o custo par vender os data centers. Objetivo da companhia é o de obter, ao mínimo, R$ 325 milhões, com o pagamento à vista de R$ 250 milhões. Já com a venda das torres, a operadora prevê arrecadar pelo menos R$ 1 bilhão em dinheiro. A grande surpresa do aditamento é a inclusão dos ativos de infraestrutura ótica para a venda.

No informe ao mercado, a Oi define a criação da unidade de infraestrutura, que reunirá passivos e ativos relacionados à infraestrutura ótica. A alienação parcial (51% do capital votante) será com pagamento mínimo de R$ 6,5 bilhões, além de garantias, por parte de investidores, do pagamento integral da dívida relacionada. Na apresentação, a Oi sustenta que a separação estrutural é necessária para se fortalecer e, assim, ser possível expandir e usar a infraestrutura da melhor forma possível. O Convergência Digital disponibiliza a íntegra do aditamento ao plano de recuperação judicial apresentado pela Oi à Comissão de Valores Mobiliários.


Internet Móvel 3G 4G
CCR Barcas e Visa fazem piloto de pagamento por aproximação (NFC) nas barcas do Rio

Experiência - onde o passageiro não precisa mais comprar ou recarregar um bilhete específico e a cobrança do valor acontece na fatura do cartão - chega primeiro às estações Araribóia e Praça XV.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

"A área técnica recomendou o uso para não-licenciado", contou o superintendente da Anatel, Vinicius Caram, ao participar do eForum Wi-Fi 6, realizado pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G