Convergência Digital - Home

SAS rompe exclusividade da AWS e fecha com Microsoft para analytics na nuvem

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 15/06/2020

O SAS anunciou, nesta segunda-feira 15/06, uma mudança estratégica na forma como entrega suas soluções analíticas. A companhia escolheu a Microsoft para ser seu provedor de nuvem preferencial em um acordo que prevê ainda a integração das tecnologias de analytics do SAS às soluções em nuvem Azure, como o Dynamics 365, o Microsoft 365 e o Power Platform. A parceria significa uma ruptura no modelo até agora adotado com, majoritariamente, ofertas on-premises ou hospedando-as em datacenters de parceiros, sendo a AWS a principal provedora de infraestrutura como serviço. 

Em março, executivos brasileiros haviam adiantado que o SAS anunciaria, em breve, mais parceiros de computação em nuvem. Contudo, o acordo com a Microsoft vai além de figurar apenas como um fornecedor de infraestrutura. Ambas as empresas vão vender as soluções. O SAS está colocando o SAS Viya, a mais recente oferta de solução nativa em nuvem, para rodar na Azure, assim como fazendo a integração de todo o seu portfólio no Azure Marketplace. Além disso, as duas companhias irão explorar as oportunidades de integração das capacidades analíticas do SAS à Azure e ao Dynamics 365, construindo novas soluções conjuntas. Essas futuras integrações permitirão aos clientes do SAS ter acesso à escalabilidade e à flexibilidade da nuvem para suas cargas de trabalho de analytics e inteligência artificial.
 
Em coletiva de imprensa virtual com alguns veículos da América Latina, Jay Upchurch, vice-presidente-executivo e CIO do SAS, explicou que o SAS entrou no mercado de hospedagem há cerca de 20 anos, construindo datacenter ou firmando parcerias ao redor do mundo para colocation. Em um contexto mais recente, a AWS foi alçada à provedora de soluções de nuvem em um modelo de infraestrutura como serviço.

“Muitos dos nossos clientes já estão movendo negócios para Microsoft, então, naturalmente analytics segue para onde os dados vão. Quando começamos a ter conversas com a Microsoft, elas foram sobre o que poderíamos fazer e vimos uma oportunidade comercial para ambas as empresas que é significantemente maior que simplesmente infraestrutura — e isto é diferente de tudo que já fizemos antes com AWS. As duas empresas vão vender. Queremos que nossos clientes transitem entre sem saber o ambiente em que estão”, explicou. A AWS segue como provedor de infraestrutura.

A mudança no modelo de o SAS entregar suas soluções decorre, conforme detalhou Marty Tomasi, diretor de produto – cloud do SAS, decorre de uma evolução natural dos clientes que estão buscando soluções nativas em nuvem. “Ao longo do tempo, nós seguimos com nossos clientes para onde eles movem os dados e há um desejo deles em adotar open source e não apenas para os sistemas operacionais, mas também para aplicações que eles têm”, disse. “Porque, no fim das contas, não é sobre o dado, mas sobre as decisões que você toma com ele.”
  
Upchurch também ressaltou que as soluções analíticas e inteligência artificial na nuvem podem moldar um novo sistema operacional para a transformação digital. Segundo a companhia, Microsoft e o SAS já estão entregando soluções escaláveis para projetos de internet das coisas (IoT) ao combinar a plataforma de IoT da Microsoft Azure com as funcionalidades de IoT analytics do SAS. Atualmente, a cidade de Cary, na Carolina do Norte, está usando uma solução de IoT conjunta das empresas para predição de inundações. Suportada por atividades conjuntas das áreas de vendas e de go-to-market, as novas soluções e produtos começarão a ser lançados ao longo deste ano. Jay Upchurch não revelou a data quando o modelo estará disponível para o Brasil, mas disse que o País está na primeira fase do lançamento. 


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Software, que utiliza algoritmos de machine learning, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Tecgraf da PUC/Rio e está sendo testado no Maranhão. Próxima etapa é um projeto de pesquisa com foco na integração da produção do gás onshore com a geração de energia, o que significa usar IA em um projeto 100% conectado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site