Clicky

Convergência Digital - Home

Governo abre novo pregão unificado de cloud pública e retoma multinuvem

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 12/06/2020

Foi dada a largada para a segunda geração da nuvem pública do governo federal. A secretaria de Gestão do Ministério da Economia colocou em consulta pública o termo de referência, que repete o modelo de contratação, por Ata de Registro de Preços, de um integrador, ou broker, mas desta vez indicando “dois ou mais” provedores de serviços de computação em nuvem. 

O ambiente multinuvem estava na concepção original da ‘cloud’ do governo, mas na primeira versão, contratada em 2018, optou-se por um único provedor. No caso, a Primesys, subsidiária depois incorporada pela Claro/Embratel, foi vencedora como ‘broker’, tendo a AWS como provedor. Com previsão inicial de R$ 30 milhões em serviços, os contratos passaram de R$ 55 milhões e adesão de duas dezenas de órgãos públicos federais. 

A ideia é reunir ainda mais interessados nesta segunda edição. A partir dos planos de aquisições dos órgãos federais para nuvem ou serviços como storage e hospedagem de sistemas, a conclusão é que “somando-se todos os valores para novas contratações, apura-se o volume de R$ 692.658.922,16. Diante deste cenário, observa-se que há um volume de serviços relacionado às soluções em Nuvem que reforçam a viabilidade da contratação”. 

O escopo da oferta de serviços envolve a contratação, em geral por demanda, de recursos de computação, armazenamento, rede, segurança, container, analytics, banco de dados, bem como migração de ambientes de datacenter ou mesmo de nuvem para nuvem. Houve ajustes nas ofertas, bem como nas métricas para pagamento. A Unidade de Serviços de Nuvem (USN) foi calculada pela mediana de serviços prestados por Google, IBM, Microsoft (Azure), AWS e Oracle. E há mudanças na UST, diante de ponderações recentes do TCU sobre essa medida. 

Como reforçado pelo termo de referência, “a contratação dos serviços abrangerá diversos órgãos e entidades federais, conforme levantamento preliminar de uso de serviços de computação em nuvem, onde alguns órgãos interessados indicarão as localidades de interesse de contratação”. Tanto que será permitida a adesão tardia de ‘caronas’ em até 200% do quantitativo total da IRP. O contrato a ser firmado terá vigência de 24 meses, podendo ser prorrogado por até 60 meses.

A consulta está no portal do Ministério da Economia e as sugestões podem ser encaminhadas para o e-mail central.tecnologia@planejamento.gov.br até 26/6. 


Destaques
Destaques

Multinuvem do Serpro vai concorrer com a do Ministério da Economia

Estruturada a parceria com AWS, Huawei e Azure, da Microsoft, estatal passa a disputar contratos com órgãos públicos, em briga direta com nuvem licitada e gerida pela Secretaria de Governo Digital.

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site