Home - Convergência Digital

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

Convergência Digital* - 10/06/2020

Um estudo realizado pela KPMG apontou os oito principais quesitos para as normas de utilização da internet das coisas. Segundo o levantamento "Após a chuva dos regulamentos de IoT" (do original em inglês, After the rainfall of IoT regulations), entre os principais tópicos para a regulação da ferramenta estão: avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Para o sócio líder do setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Dustin Pozzetti, o desenvolvimento de produtos mais seguros, além de necessário, traz a vantagem de aumentar a competitividade das empresas, aprimorando a produção e conquistando a confiança dos consumidores. "As soluções em internet das coisas estão mais presentes no dia a dia das pessoas, com dispositivos cada vez mais conectados à rede. Como efeito desse cenário, as coletas de informações e dados pessoais aumentam significativamente, ocasionando riscos potenciais à segurança dos dados e os legisladores vêm trabalhando de uma forma geral para regulamentar o segmento, de modo que as empresas se responsabilizem pela proteção das informações de seus clientes", analisa.

Diante desse cenário, a KPMG apontou as oito áreas-chaves para as normas de internet das coisas:

· Governança: uma governança eficaz norteia o programa, promove a padronização e a consistência e monitora os riscos regulatórios de forma contínua;
· Avaliação de riscos: necessidade de entender os riscos que os dispositivos conectados apresentam às operações, aos ativos e aos stakeholders, incluindo os consumidores, para a criação de produtos seguros;
· Gestão da cadeia de suprimentos: as fabricantes são responsáveis pela postura de segurança dos terceiros envolvidos nas operações.
· Ciclo de vida do desenvolvimento seguro: incorporação de técnicas de ciclo de vida de desenvolvimento seguro ao desenho e à produção dos dispositivos conectados.
· Gestão da configuração: garantia de que a configuração-padrão segura seja predefinida em dispositivos de IoT e por controlar quem pode fazer modificações nas configurações e qual tipo de modificação pode ser feita.
· Identificação da gestão, da autenticação e do controle de acesso: incorporação das melhores práticas de segurança de software para garantir que o uso de dispositivos conectados seja restrito a pessoas, processos e dispositivos autorizados.
· Gestão e privacidade de dados: implementação de métodos razoáveis para proteger os dados gerados por dispositivos conectados, armazenados neles e transmitidos a eles.
· Monitoramento e gerenciamento de vulnerabilidades: as fabricantes devem monitorar, identificar e corrigir de forma ativa e contínua os problemas nos dispositivos de internet das coisas, incluindo aqueles problemas relacionados à produção e à operação.

Para o sócio-diretor líder em regulação no setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Marcelo Ribeiro, as áreas apresentadas no estudo ajudam a definir e a direcionar os elementos de base para o futuro dos programas de segurança de internet das coisas, que não somente atendam aos requisitos regulatórios, mas também protejam os consumidores, conquistem a confiança e aprimorem o valor dos produtos de IoT no longo prazo.

"Esse é um mercado em plena transformação, com muita inovação embarcada e que a segurança relacionada aos dados coletados seja endereçada de acordo com os requisitos necessários gerando transparência e confiança a todos os entes envolvidos nessa jornada", conclui Ribeiro.



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

06/07/2020
UISA, de bionergia, contrata Vivo para ter 4G e IoT na produção de bionergia

01/07/2020
ConectarAgro quer 13 milhões de hectares na área rural com conexão 4G até o fim de 2021

29/06/2020
Senador pede regime de urgência para IoT para acelerar geração de emprego e renda

23/06/2020
Indicator Capital vai gerir fundo de IoT do BNDES e Qualcomm Ventures

16/06/2020
Startup pernambucana capta R$ 3,5 milhões e investe para expandir IoT na saúde

12/06/2020
Bayer dá acesso gratuito a ferramenta de coleta de dados para agricultura digital

10/06/2020
Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

08/06/2020
Centro de Operações Rio usa rede neutra IoT da American Tower

08/06/2020
TIM inicia piloto de IoT e IA para monitoramento de granjas da JBS

15/04/2020
Internet das Coisas: Quase 30% das empresas sofreram incidentes de segurança

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site