Home - Convergência Digital

Fake News sobre 5G gera clima tenso nos Estados Unidos

Convergência Digital* - 05/06/2020

A Ericsson suspendeu, por dois dias, o trabalho nas antenas norte-americanas para proteger a sua equipe, diante da ameaça de ataques por conta da massificação de fake news sobre o 5G provocar a Covid-19. Outros fornecedores também estão em alerta e houve avisos que manifestações poderiam  acontecer neste final de semana em várias localidades dos Estados Unidos. Notícias falsas sobre o 5G, saúde e Covid-19 também foram disseminadas no Reino Unido, na Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

Não é a primeira vez que surgem boatos sobre o impacto do 5G na saúde. No ano passado, a onda de desinformação sobre os efeitos das frequências eletromagnéticas usadas pelos celulares e pelas antenas que viabilizam o sinal móvel mobilizou a área da Saúde no Reino Unido. Em artigo publicado no tradicional jornal inglês The Guardian, em julho do ano passado, David Robert Grimes, médico, pesquisador sobre câncer e jornalista científico com atuação na Universidade Queens, em Belfast, na Irlanda e na Universidade de Oxford, na Inglaterra, lamentou o fato de as histórias de terror fazerem mais sucesso do que as evidências científicas.

“Muitos estudos foram realizados nas duas últimas décadas para avaliar se telefones celulares representam potencial risco à saúde. Até hoje, nenhum efeito adverso foi estabelecido como tendo sido causado pelo uso de celulares”, reforçou o médico. No Brasil, a Anatel sustenta que as operadoras de telecomunicações cumprem além do determinado pelas legislações internacionais de proteção à radiação.

Especialistas na área no País também rechaçam qualquer perigo à saúde humana. O diretor do Instituto Nacional de Telecomunicações, Carlos Nazareth Motta Marins, sustenta que não há nenhuma evidência científica de que as antenas celulares e de que os smartphones façam mal à saúde humana, uma vez que a radiação eletromagnética deles é muito baixa, com emissão de níveis na ordem de milionésimos e bilionésimos de watts. Segundo ainda o especialista, 'a radiação eletromagnética de uma antena e de um smartphone é bilhões de vezes menor que a de um micro-ondas, largamente usado nas residências no mundo”.

O biomédico e cientista Renato Sabbatini lembra que já foram feitos diferentes estudos e nenhum teve a comprovação que antenas e smartphones façam mal à saúde. "Com o 5G que está chegando não será diferente. A emissão de radiação com o 5G, aliás, fica ainda mais reduzida. A potência das antenas celulares é muito baixa para aumentar a temperatura corpórea de pessoas ou animais”, reforçou o especialista, em entrevista à Agência Telebrasil.

*Com informações do Mobile World Live

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site