Home - Convergência Digital

Verizon e AT&T admitem que venderiam 5G fixo que 'nem água' por conta da Covid-19

Convergência Digital* - 02/06/2020

Se pudesem ter investido mais  no 5G fixo  em suas frequências disponíveis, as operadoras norte-americanas teriam vendido que 'nem água' banda larga nas últimas 10 semanas, em função da pandemia de Covid-19. A projeção foi feita pelos executivos da Verizon e da AT&T.

O CEO da Verizon para negócios com consumidores, Ronan Dunne, foi taxativo. "Os consumidores mudaram mais em 10 semanas de Covid-19 do que nos últimos cinco anos. Elas estão valorizando largura de banda", pontuou. Objetivo da Verizon,agora, é capitalizar o interesse investindo na expansão do serviço FWA 5G Home por meio da rede móvel mmWave.

O vice-presidente sênior da AT&T, Igal Elbaz, admitiu, porém, que faltam chipsets para equipamentos 5G de alta potência, o que também inviabilizou qualquer plano de emergência nesse período de pandemia. Expectativa é que esses chipsets fiquem disponíveis comercialmente no último trimestre de 2020.

A intenção das operadoras é convergir interesses da banda larga fixa com as operações móveis 5G. Expectativa do mercado é de que dois milhões de CPEs (modems) para a oferta do 5G fixo sejam vendidas em 2020, mesmo com o impacto da Covid-19 na produção dos dispositivos.

As redes mmWave (ondas milimétricas) nos Estados Unidos usam a faixa de 28GHz e vai funcionar funcionará em conjunto com as faixas “tradicionais”, as que estão abaixo dos 6 GHz. No Brasil, a Anatel estuda disponibilizar as faixas de 1,5 GHz e 26 GHz para as redes mmWave ao vender as frequências 5G, em leilão, agora, previsto para 2021.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/07/2020
5G da Claro será na faixa de 2,6 GHz

08/07/2020
Faria: 5G depende de posição do presidente Jair Bolsonaro

07/07/2020
Nokia usa RAN aberto para provocar Ericsson no 5G

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

Destaques
Destaques

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site