Home - Convergência Digital

Verizon e AT&T admitem que venderiam 5G fixo que 'nem água' por conta da Covid-19

Convergência Digital* - 02/06/2020

Se pudesem ter investido mais  no 5G fixo  em suas frequências disponíveis, as operadoras norte-americanas teriam vendido que 'nem água' banda larga nas últimas 10 semanas, em função da pandemia de Covid-19. A projeção foi feita pelos executivos da Verizon e da AT&T.

O CEO da Verizon para negócios com consumidores, Ronan Dunne, foi taxativo. "Os consumidores mudaram mais em 10 semanas de Covid-19 do que nos últimos cinco anos. Elas estão valorizando largura de banda", pontuou. Objetivo da Verizon,agora, é capitalizar o interesse investindo na expansão do serviço FWA 5G Home por meio da rede móvel mmWave.

O vice-presidente sênior da AT&T, Igal Elbaz, admitiu, porém, que faltam chipsets para equipamentos 5G de alta potência, o que também inviabilizou qualquer plano de emergência nesse período de pandemia. Expectativa é que esses chipsets fiquem disponíveis comercialmente no último trimestre de 2020.

A intenção das operadoras é convergir interesses da banda larga fixa com as operações móveis 5G. Expectativa do mercado é de que dois milhões de CPEs (modems) para a oferta do 5G fixo sejam vendidas em 2020, mesmo com o impacto da Covid-19 na produção dos dispositivos.

As redes mmWave (ondas milimétricas) nos Estados Unidos usam a faixa de 28GHz e vai funcionar funcionará em conjunto com as faixas “tradicionais”, as que estão abaixo dos 6 GHz. No Brasil, a Anatel estuda disponibilizar as faixas de 1,5 GHz e 26 GHz para as redes mmWave ao vender as frequências 5G, em leilão, agora, previsto para 2021.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site