GESTÃO

Serpro quer usar a nuvem para vender no exterior e valorizar privatização

Ana Paula Lobo ... 02/06/2020 ... Convergência Digital

O Serpro quer usar a experiência com serviços em nuvem ao Estado -  oficializou nesta terça-feira, 02/06, a contratação da AWS para a oferta de serviços em nuvem pública e também para a própria estatal - para traçar uma internacionalização, revelou o presidente da empresa, Caio Mario Paes de Andrade. "O Serpro tem uma inteligência para lidar com o cliente Estado que poucas empresas no mundo têm. Por que não usar esse conhecimento para oferecer serviços para governos na América Latina ou no mundo?", indagou Paes de Andrade.

Segundo ainda o presidente do Serpro, a companhia, como estatal, tem o desafio de estar à frente da tecnologia e ser o pilar da transformação digital do Estado. "Não é fácil para uma empresa estatal, com regras rígidas para aquisições, ficar à frente da tecnologia,que evolui muito. Agora mesmo: a transformação digital não retrocede e a pandemia nos trouxe uma aceleração efetiva da digitalização", reforçou. O executivo admite que o Serpro mais eficiente, significará mais empresas interessadas no ativo, caso o acionista - no caso o Governo - realmente se decida pela privatização.

Em abril, por conta da pandemia, o governo admitiu que não haveria 'clima' para vender estatais este ano e reagendou a venda do Serpro e da Dataprev, as empresas públicas de TI, para o fim de 2021, conforme o Programa Nacional de Desestatização e no Programa de Parcerias de Investimento, que é a etapa de preparação de modelagem das privatizações. Em fevereiro, Assembleia Geral do Serpro estabeleceu o capital social da estatl em R$ 1.061.004.829,23 (um bilhão, sessenta e um milhões, quatro mil, oitocentos e vinte e nove reais e vinte e três centavos), integralmente subscrito pela União.





Governo busca interesse dos órgãos federais em postos para carros elétricos

Acordo entre o governo federal e o governo do Distrito Federal já prevê a instalação de seis ‘eletropostos’, mas demanda pode aumentar esse número.

Governo chega à marca de 1 mil serviços públicos digitalizados

Desempenho mantém em curso a meta de digitalização total de 3,8 mil serviços até 2022. 

Intelit: LGPD não é um único software que vai resolver tudo

A governança do processo de dados é crucial para uma boa implementação da legislação, sustenta o CEO da Intelit, Lincoln dos Santos Pinto. Segundo ele, o atraso da grande parte das empresas decorre da falta de dinheiro e da incerteza sobre a vigência da lei.

Intelit: Compras públicas têm de abrir espaço à inovação e às startups

O CEO da prestadora de serviços de TI, Lincoln dos Santos Pinto, observa que um processo de compra pública leva em torno de seis meses, o que atrasa a inovação. Sobre a venda do Serpro e Dataprev, lembra da LGPD e defende o Estado como tutor dos dados pessoais do cidadão.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G