INTERNET

No STF, Rosa Weber vota contra bloqueio do WhatsApp e criminalização da criptografia

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/05/2020 ... Convergência Digital

Provocados pelas decisões de bloqueio do Whatsapp em todo o território nacional, começaram a ser julgadas nesta quarta, 27/5, pelo Supremo Tribunal Federal, as ações que questionam as medidas judiciais e o próprio alcance do Marco Civil da Internet, a Lei 12.965/14. 

Única a apresentar voto antes do encerramento da sessão, Rosa Weber, relatora da Ação Direta de Inconstitucionalidade 5527, defendeu ser lícito o uso de tecnologia que resguarde o sigilo das comunicações. “Seria retrocesso tornar ilegal ou limitar o uso da criptografia”, afirmou. A relatora também concluiu que o Marco Civil não permite interpretação que suporte a suspensão total do serviço de troca de mensagens. 

As ordens de bloqueio do Whatsapp em todo o país, lá em 2015/2016, foram resposta às alegações da empresa que não poderia entregar as conversas de suspeitos em investigação criminal ou grampear a troca de mensagens porque o conteúdo que circula no aplicativo é criptografado. Não por menos, o debate nas ações no Supremo foi decantado na criminalização da criptografia. 

Como resumiu nesta primeira sessão do julgamento o representante da Associação dos Magistrados Brasileiros, “qualquer meio de comunicação somente pode existir de forma válida no Brasil se dispuser de algum meio que permite ao Estado a interceptação. Quem criou um sistema inexpugnável que o modifique. Caso contrário estará fadado à ilegalidade.”

O primeiro voto no STF, no entanto, discorda dessa lógica. Rosa Weber destacou que “o avanço tecnológico renova a resposta das cortes sobre permitir espaço de incremento do poder estatal ou da privacidade individual”, com privilégio para a última. 

“Questiona-se licitude de tecnologia de proteção do sigilo, notadamente criptográficas, que torne materialmente inviável o cumprimento de comando judicial de disponibilização de conteúdo. Pode o Estado obrigar os particulares que oferecem serviço de comunicação adotarem mecanismos que assegurem acesso ao conteúdo das conversas caso determinada sua disponibilização?”, expôs a ministra.  

Para ela, não. “Desenvolvida tecnologia a garantir privacidade e oferecida como valor agregado a outros particulares, não pode o Estado compelir a oferecer serviço menos seguro e vulnerável sob o pretexto de que pode vir eventualmente usar essa vulnerabilidade artificial. Seria tornar ilegal a criptografia.”

Disse ainda que a “disseminação dela é que torna transações online mais seguras, em consequência a sociedade mais segura”, e que “enfraquecer a criptografia torna o software menos seguro a todos os usuários, além de violar liberdade de expressão e sigilo das comunicações”. 

Por fim, conclui que o Marco Civil não permite o bloqueio nacional de aplicativos como Whatsapp. “As penalidades de suspensão temporária das atividades de proibição de exercício das atividades somente podem ser impostas aos provedores de conexão e aplicações de internet nas hipóteses de descumprimento da legislação brasileira referente à coleta, guarda, armazenamento ou tratamento de dados, bem como aos direitos da privacidade, proteção dos dados pessoais e sigilo das comunicações privadas e dos registros, ficando afastada qualquer exegese que isoladamente ou em combinação com artigo sétimo, dois e três, da mesma Lei [12.965/14] estenda sua hipótese de incidência de modo a abarcar o sancionamento da inobservância de ordem judicial de disponibilização de conteúdo de comunicações passiveis de obtenção mediante fragilização deliberada dos mecanismos de proteção da privacidade inscritos na arquitetura da aplicação.”


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

Sem nova lei, Justiça condena deputado a indenizar em R$ 50 mil por fake news

Por vídeo com acusações falsas a ex-presidente do PT em Ubatuba (SP), de 2018, Alexandre Frota (PSDB-SP) terá também que se retratar em suas redes sociais. 

Mastercard calcula alta de 75% nas vendas pela internet em maio

Média desde março é de crescimento de 48% – mais que o triplo do trimestre anterior, quando foi 14%. 

CGI.br renova quadro de conselheiros pelos próximos três anos

Processo eleitoral seleciona os 11 representantes das empresas, terceiro setor e academia. Outras 9 vagas são do governo e uma de notório saber. 

MP estuda como combater fake news em redes sociais durante campanhas

No Rio de Janeiro, 200 promotores eleitorais realizaram workshop para atuação judicial e extrajudicial contra desinformação na internet. 

Silvio Meira: Fake News não vai acabar tão cedo no Brasil e no mundo

Ao participar do Convergência Digital em Pauta, o cientista, professor e empreendedor, Silvio Meira, foi taxativo:  a fake news combina ilusão com analfabetismo digital e só vai desaparecer quando o mundo for propriedade dos 100% digitais.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G