INOVAÇÃO

TCU manda INPI divulgar fila de pedidos de patentes

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/05/2020 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União determinou ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) que passe a divulgar a fila de pedidos de patentes que aguardam deliberação em qualquer instância da Divisão da Diretoria de Patentes, Programas de Computador e Topografias de Circuitos Integrados. 

Em investigação que envolveu trâmites da Anvisa para liberação de medicamentos

Como informou o TCU, o objetivo da auditoria foi “analisar o processo de registro de patentes feito pelo INPI, especialmente no que se refere ao elevado estoque de pedidos em espera e ao prazo superior a dez anos para concessão, bem acima da média mundial”. Alega a Corte de Contas que o tempo médio de espera para o primeiro exame técnico dos pedidos de patente é de 80 meses, 6 anos e meio. Comparativamente, o prazo médio é de 15 meses nos EUA e China, 10 meses na Coreia, 9 meses no Japão e 4 meses na Europa. 

“Verifica-se tempo de processamento muito maior no Brasil que nos maiores escritórios de patentes do mundo. Na comparação entre os tempos decorridos até o primeiro exame técnico, por exemplo, o Brasil encontra-se com duração maior que cinco vezes à da China e à dos EUA, que são os escritórios dentre os cinco com maior demora”, anotou o TCU.

Entre as conclusões, o fato de que a própria demora em analisar os pedidos acaba garantindo direito de propriedade para além do previsto. É que embora a legislação fixe o prazo máximo em 20 anos a partir do pedido, também prevê que a vigência não pode ser inferior a 10 anos a partir da data da concessão. “Se um pedido de registro tiver o seu trâmite no INPI superior a dez anos, o prazo de vigência da patente concedida será necessariamente maior do que os 20 anos iniciais previstos.”

Levada ao pleno do TCU, a auditoria resultou no Acórdão 1199/20. Para evitar esse prazo alongado pela demora, recomendou a Corte de Contas que a Casa Civil avalie a revogação daquela previsão de prazo mínimo após a concessão da patente. E fez determinações ao INPI para garantir maior transparência na tramitação. 

“O trabalho identificou que o INPI não divulga a fila de pedidos de patente, medida de transparência importante para os requerentes e os interessados em geral. Além disso, o atual critério para contagem dessa fila desconsidera os pedidos em situação de recurso e não há definição de hipóteses de impedimentos e suspeições por parte do analista responsável pelo exame da patenteabilidade.”

Nesse sentido, determinou o TCU ao INPI: 

“[Q]ue, em até 180 dias, passe a publicar, em seu portal eletrônico disponível na internet, as filas de pedidos de patentes pendentes de decisão final administrativa de cada Divisão da Diretoria de Patentes, Programas de Computador e Topografias de Circuitos Integrados a que se refere - a área tecnológica do pedido, em caso de estar em análise de segunda instância -, com as informações de cada pedido, o estado em que se encontra e a existência ou não de prioridade de exame, com vistas a atender à obrigação de tornar públicas essas informações à sociedade, conforme dispõem o caput do art. 37 da Constituição Federal e o caput do art. 2º da Lei 9.784/99;

“que, em até 180 dias, passe a publicar, em separado, as informações de estoque e de tempo médio de tramitação dos pedidos de patente em fase de segunda instância administrativa, tratada na Coordenação-Geral de Recursos e Processos Administrativos de Nulidade.”


Cloud Computing
Por dados sensíveis, CADE ativa sala segura que custou quase R$ 4 milhões

Órgão antitruste diz que com a vigência da LGPD, a sala segura se torna ainda mais relevante para a guarda e armazenamento de informações sensíveis. A responsável pelo serviço é a ACECO TI, controlada pela Green4F no período de 20 de dezembro de 2019 a 20 de dezembro de 2020.


Fiemg lab e Fiat Chrysler automóveis (FCA) buscam startups de Supply Chain e Manufatura

Competição está com inscrições abertas até o dia 28 de outubro. Oito projetos serão selecionados e terão testes industriais em 2021.

Waze: força das comunidades e dos 50 mil voluntários fazem a diferença

A colaboração é o segredo do sucesso do Waze e estabelecer canal ativo com os clientes é missão, contou a Global Group Manager, Hila Roth.

Inovar é deixar de olhar para o próprio umbigo

Marcelo Salim, da IBM, Percival Jatobá, da Visa e Ana Leão, da Isobar, assumem que o consumidor é quem está selando o destino das marcas e com voz mais ativa.

TOTVS Techfin: Na crise, sobrevivem os mais adaptáveis às mudanças

O momento exige resiliência e perseverança, mas a crise acelerou uma jornada e colocou, de vez, o consumidor como o centro dos negócios, afirmou Eduardo Neubern, diretor-executivo da Totvs Techfin.

Empresas estão comprando tecnologia, mas não fazem a transformação digital

Sem entender o consumidor, a transformação digital simplesmente não vai acontecer, atestaram Sílvio Meira, cientista-chefe na The Digital Strategy Company; Luiz Sergio Vieira, CEO da EY Brasil, e Agenor Leão, vice-presidente de plataformas de negócios da Natura para América Latina.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G