TELECOM

Oi: Covid-19 reforçou telecom como essencial, mas impasse tributário continua

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/05/2020 ... Convergência Digital

Ao discutir a importância da infraestrutura de telecomunicações em debate online nesta sexta, 22/5, o presidente da Oi, Rodrigo Abreu, lembrou que a crise da pandemia da Covid-19 forçou o reconhecimento do setor como essencial, mas que isso não se traduziu em melhorias no ambiente tributário. Ao contrário, o Brasil tem uma das maiores cargas de impostos sobre telecom do planeta, ao mesmo tempo em que existem áreas onde não é possível atendimento via mercado. 

“Um primeiro passo acabou acontecendo de maneira forçada, que foi o reconhecimento da importância do serviço, formalizado em um Decreto de essencialidade das telecomunicações. Mas o incentivo da politica pública é crítico”, afirmou Abreu ao participar de debate promovido pela Aliança F4, think tank de teles e fornecedores de equipamentos em prol de ações que impulsionem a banda larga no país. 

“O Brasil não é só continental pela extensão, mas pela heterogeneidade. Mesmo tendo um plano de conectar 90% da população com fibra, há distritos que precisam de solução que não virá do mercado, pois não existe viabilidade econômica. Ao mesmo tempo, o setor faz arrecadação de taxas que carregam peso muito grande. E temos que chamar atenção para a questão fiscal. É uma questão difícil, mas que essa nova crise nos obriga a rever”, insistiu o presidente da Oi. 

Segundo levantamento divulgado nesta mesma sexta pelas empresas de telecom, o setor recolheu R$ 65,4 bilhões em tributos em 2019, valor mais alto dos últimos 20 anos, tanto em volume arrecadado quanto em percentual sobre a receita. Desse total, R$ 6 bilhões foram para fundos setoriais, especialmente FUST e Fistel. 

“Em áreas não viáveis deveria ser permitido usar os fundos para que o serviço possa chegar a áreas que não têm como cobrir o custo. Seria essencial esse incentivo de politica pública, porque o retorno traz desenvolvimento social, educação e desenvolvimento regional”, completou Rodrigo Abreu. 


Com Lei, small cells avançam no Distrito Federal

"As pequenas antenas são essenciais para a melhor cobertura do 4G e depois para o 5G e tiveram dispensa de licitação. Podem ser colocadas em bancas, placas de sinalização, etc.", explica o diretor do SindiTelebrasil, Ricardo Dieckmann. Gargalos, agora, seguem sendo São Paulo e Belo Horizonte.

Teles quebram dados móveis em bairros e regiões para combate à Covid-19

Ferramenta é usada por 22 cidades e 17 estados: Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe e São Paulo.

Padtec reorganiza e se prepara para ir à Bolsa de Valores

IdeiasNet, ex-controladora, foi incorporada pela Padtec Holding. Ida à B3 é estratégia de médio prazo e servirá para a expansão internacional da companhia.

Londrina quer vender Sercomtel por R$ 130 milhões

Tentativa de privatização da operadora, que tem cerca de 400 mil acessos de telefonia e internet, foi remarcada para 18/8, na B3. Prefeitura admitiu o parcelamento na aquisição para atrair interessados nessa nova tentativa.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G