GESTÃO

BNDES descontinua BNDES Direto 10, voltado para PMEs de TICs

Ana Paula Lobo e Luís Osvaldo Grossmann ... 21/05/2020 ... Convergência Digital

A linha de financiamentos para empresas de menor porte, centradas em tecnologia, criada pelo BDNES em meados de 2019 foi suspensa em novembro do mesmo ano. Expressamente estabelecida para preencher a lacuna de aportes em segmentos com dificuldades de apresentar garantias, a chamada BNDES Direto 10 não tem substituto. 

“O BNDES reconhece que há lacuna de crédito para empresas com crescimento acelerado mas sem garantia. A gente queria um instrumento adaptado, com alguma flexibilização no tratamento, e foi criado BNDES Direto 10, para permitir investimentos a partir de R$ 1 milhão, não R$ 10 milhões que é a regra normalmente adotada”, explicou o gerente de Planejamento, Estudos e Produtos para TI, Telecom e Economia Criativa do BNDES, Carlos Azen, em webinar promovido pela Associação Brasileira da Empresas de Software, ABES, nesta quarta-feira, 20/05.

“O BNDES Direto 10 substituiria o BNDES Prosoft, que tinha esse espírito. Mas por várias questões, pela revisão do papel do banco, com maior prestação de serviço para o governo, com a agenda de privatizações, foi decidido ainda em novembro de 2019 suspender novas operações com o BNDES Direto 10”, disse Azen. 

A mencionada lacuna continua. Empresas de menor porte, especialmente do setor de software, cujo “ativo” é a força de trabalho de milhares de programadores, têm dificuldades em apresentar as garantias exigidas para obter financiamentos. Daí a importância apontada pelo segmento para essa linha, extinta, que era voltada para investimentos em setores de alta complexidade tecnológica e intensivos em conhecimento, em TICs, educação, e economia criativa. Era uma forma de até pequenos provedores internet conseguirem crédito. 

Os números mais recentes do BNDES sugerem que a dificuldade voltou a ser grande. “A gente reconhece que a questão das garantias é um gargalo e estamos tentando reformular para destravar o credito. Até já vimos algum incremento do crédito na ponta. Em operações indiretas, para o setor de software, de janeiro a abril de 2020, houve um volume de 80% frente a todo o período de 2019. Entre março e abril, o aumento foi de 240%”, apontou o gerente de planejamento do BNDES. Mas se os percentuais parecem significativos, na prática, os valores são baixos. Mesmo com todo o crescimento, os financiamentos para software foram de R$ 26 milhões, uma gota nos R$ 2 bilhões que o banco emprestou no mesmo período.


Governo busca interesse dos órgãos federais em postos para carros elétricos

Acordo entre o governo federal e o governo do Distrito Federal já prevê a instalação de seis ‘eletropostos’, mas demanda pode aumentar esse número.

Governo chega à marca de 1 mil serviços públicos digitalizados

Desempenho mantém em curso a meta de digitalização total de 3,8 mil serviços até 2022. 

Intelit: LGPD não é um único software que vai resolver tudo

A governança do processo de dados é crucial para uma boa implementação da legislação, sustenta o CEO da Intelit, Lincoln dos Santos Pinto. Segundo ele, o atraso da grande parte das empresas decorre da falta de dinheiro e da incerteza sobre a vigência da lei.

Intelit: Compras públicas têm de abrir espaço à inovação e às startups

O CEO da prestadora de serviços de TI, Lincoln dos Santos Pinto, observa que um processo de compra pública leva em torno de seis meses, o que atrasa a inovação. Sobre a venda do Serpro e Dataprev, lembra da LGPD e defende o Estado como tutor dos dados pessoais do cidadão.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G