INTERNET

PGR é contra bloqueio nacional do WhatsApp, mas defende backdoor

Luís Osvaldo Grossmann ... 20/05/2020 ... Convergência Digital

A Procuradoria Geral da República sustenta junto ao Supremo Tribunal Federal que decisões judiciais que determinam o bloqueio do aplicativo Whatsapp em todo o Brasil são desproporcionais. Como apontou o procurador-geral Augusto Aras em manifestação na ação que questiona tal medida, adotada ainda em 2016, o Judiciário tem outros meios para forçar o app a cumprir ordens. 

“A legislação brasileira pode legitimamente exigir da provedora de aplicação de internet que armazene e disponibilize comunicações privadas, mediante ordem judicial. Contudo, dessa premissa não decorre a conclusão de que, em caso de descumprimento, decisões judiciais podem suspender o aplicativo”, aponta o PGR ao se posicionar no julgamento da ADPF 403, previsto para esta quarta, 20/5. 

“Decisões judiciais que suspendem nacionalmente o aplicativo violam as liberdades comunicativas previstas na Constituição Federal, transcendendo, manifestamente, do alvo da persecução penal. Não sobrevivem, portanto, ao filtro da proporcionalidade. A autoridade das ordens judiciais de interceptação telemática pode ser assegurada por outros meios que impliquem um sacrifício menor aos direitos fundamentais da sociedade, a exemplo da imposição de astreintes ou a cominação de sanções.”

A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 403 foi movida pelo Partido Popular Socialista ainda em 2016, na esteira da decisão de um juiz de primeiro grau na cidade de Lagarto, Sergipe, que determinou o bloqueio do aplicativo de mensagens em todo o país como forma de obrigar o Whatsapp a entregar o conteúdo de conversas de suspeitos de tráfico de drogas. Decisão no mesmo sentido foi pouco depois determinada, também em primeiro grau, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Ambas foram suspensas por liminar do STF.

Mas se o PGR entende que o bloqueio nacional é medida exagerada, aproveita a mesma manifestação para reforçar uma posição já conhecida do Ministério Público Federal. Qual seja, de que pouco importa se o Whatsapp alega que a criptografia impede o acesso aos conteúdos das conversas. Se houver ordem nesse sentido ela deve ser cumprida e cabe ao app encontrar o caminho tecnológico para isso. 

“O fato é que descabe ao Ministério Público e ao Poder Judiciário apontar como particulares devem conceber seus produtos e serviços de modo a ajustá-los com os ditames da legislação brasileira”, afirma o PGR. “Escapa ao objeto desta arguição de descumprimento incursionar na discricionariedade técnica dos particulares sobre como dar cumprimento à legislação de maneira mais eficiente, solução que há de ser encontrada pelos próprios destinatários da norma.”


Revista Abranet 31 . maio-julho 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
A pandemia da Covid-19 fez a rotina mudar num piscar de olhos. E coube à internet mostrar a sua força. O aumento significativo do tráfego de dados por conta do teletrabalho e do isolamento social foi uma realidade assustadora. Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

80% das vendas corporativas serão digitais até 2025

Nos próximos cinco anos, um aumento exponencial nas interações digitais entre compradores e fornecedores quebrará os modelos de vendas tradicionais. Quase 40% dos compradores preferem experiência sem vendedor.

Em parceria com CGI.br, USP cria cátedra de Internet

O acordo de 5 anos também prevê seminários, debates, publicações. CGI.br destinará R$ 2,5 milhões para bolsas de estudo e atividades. 

Oracle derrota Microsoft na disputa pela chinesa TikTok

Segundo informações do Wall Street Journal, operações do TikTok nos EUA, suspensas após China reagir com mudanças nas regras de controle, vão se transformar em "parceria tecnológica de confiança". 

PF prende homem que aplicou 1,3 mil entregas falsas pela internet

Dono de loja de informática no Paraná vendia em plataforma de comércio eletrônico e enviava caixas vazias ou com sucata há pelo menos seis meses. 

Justiça manda 'youtuber' divulgar direito de resposta para emissora de TV

Acionado pelo grupo Bandeirantes, canal bolsonarista queria publicar resposta na descrição do vídeo, mas TJSP determinou que "seja publicado em vídeo, com o mesmo destaque da matéria objeto da demanda".



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G