Clicky

Convergência Digital - Home

Compartilhamento de dados fomenta o big data no governo federal

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 12/05/2020

Os usos de big data e da computação em nuvem ainda ficam bem aquém do possível no Brasil, conforme revela a pesquisa TIC Governo Eletrônico 2019, divulgada nesta terça-feira, 12/05, pelo CETIC.br. É verdade que os dados foram coletados de julho a dezembro do ano passado e são referentes a uso de serviços doze meses anteriores, mas o que foi divulgado mostra que novas tecnologias precisam avançar para a digitalização efetiva dos serviços ao cidadão.

Em serviços na nuvem, o email na nuvem segue sendo o mais usado e teve um incremento. Em 2017, 25% dos órgãos contrataram o serviço. Em 2019, esse percentual subiu para 40%. Mas outras ferramentas- mais efetivas para o melhor uso da tecnologia- apresentaram uma alta abaixo do desejado.

O uso de software de escritório na nuvem, por exemplo, passou no governo federal, de 12% em 2017 para 20% em 2019. A capacidade de processamento em nuvem subiu de 15% para 19% no mersmo período. O armazenamento de banco de dados ficou em 23% nos órgãos federais e 24% nos órgãos estaduais.

Com relação ao big data, o TIC Governo Eletrônico apura que, à época da coleta das informações, nem um quarto dos entrevistados fazia uso efetivo da tecnologia. Quem mais usou o big data para as suas ações foi o Ministério Público Federal, com 62%. O poder Executivo usou apenas 20%. O poder Judiciário ficou em 26% do uso. Na pesquisa, fica constatado que 41% dos respondentes usaram dados de geolocalização ou de redes sociais ou por meio de dispositivos inteligentes.

A grande surpresa com os órgãos federais -  que responderam por 32% de uso de big data - está ligada ao uso efetivo do compartilhamento de base governamentais a partir da liberação das informações por parte do governo federal. "O Governo está, sim, cruzando dados entre órgãos e, por isso, quando se questiona o uso de big data, a maior parte fala em 'outros'. No caso, essas informações vêm dos data lakes dos órgãos federais", observa Alexandre Barbosa, do CETIC.br.

O especialista observa também que a pandemia de Covid-19 obrigou a uma maior utilização de dados, como é o caso do Ministério da Saúde, que se desdobra para fazer análise de informações de saúde, além de cruzamento de dados entre órgãos federais -  caso da Dataprev com a Caixa Econômica Federal para o pagamento de auxílio emergencial à população mais carente.

Veja os principais resultados do estudo TIC Governo Eletrônico 2019
[Arquivo PDF - 3 MB]


Destaques
Destaques

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.

TIM une big data,LPA e robôs para controle do pagamento de impostos

Operadora elegeu a inteligência artificial para processar grandes e complexos volumes de dados com o SAS e a KPMG. Investimento ficou em torno de US$ 500 mil, ou R$ 2,65 milhões, mas parte dele já foi recuperado em pouco mais de seis meses.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site