Clicky

Convergência Digital - Home

Dell Technologies define nova era do storage e anuncia produção local do PowerStore

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 05/05/2020

O Storage mudou e a pandemia de Covid-19 corroborou o incremento do uso dos dados no mercado corporativo, afirma Carlos Cunha, líder de vendas de Storage da Dell Technologies do Brasil, em entrevista ao Convergência Digital. A fabricante joga suas fichas no surgimento de uma nova era do armazenamento com o lançamento mundial, nesta terça-feira, 05/05, da familia Dell EMC PowerStore. "Nós já revolucionamos o mercado quando colocamos o software dentro do hardware. O PowerStore,agora, além do software traz a aplicação para rodar dentro do armazenamento. É possível rodar as aplicações mais intensivas de dados em máquinas virtuais o que reduz a latência das redes", explica Cunha.

A aposta na família Dell EMC PowerStore é global, mas o Brasil tem uma parcela real de relevância. O equipamento será produzido no país nas fábricas da Dell. "A Covid-19 nos criou um processo de entrega rápida para atender a demanda dos clientes por conta da migração dos escritórios para o home office. Ter a produção local, mais do que reduzir custo, significa ter uma assistência técnica e suporte ágeis como diferenciais", conta Carlos Cunha. A produção local já começou. No Brasil não houve nenhum piloto, mas nos Estados Unidos, muitas empresas de diferentes verticais testaram o PowerStore.

Cunha diz que o PowerStore tem ainda uma marca inédita: é o primeiro equipamento feito 'com várias mãos' e unindo todo o conhecimento da Dell, da EMC e da VMWare, uma vez que a nuvem - em especial a multicloud- é uma realidade nas empresas. "Essa integração permitiu realmente ter um equipamento diferente. Todo o expertise das empresas Dell Technologies foi compilado nos equipamentos da família, que atendem pequenas, médias e grandes empresas, já que é escalável e permite uma adoção conforme a necessidade", afirma o executivo da Dell Technologies.

O mercado de datacenter é um alvo a ser conquistado, uma vez que parte das empresas está preferindo ter seus centros de dados terceirizados. "Nosso produto se adequa a qualquer provedor de nuvem pública, além de dar mais capacidade de armazenamento. Os datacenters privados das corporações e os de mercado são para serem conquistados", diz Cunha.

O executivo sustenta que o cliente- depois que criou distintas nuvens, empurrado para a transformação digital por conta da Covid-19, agora busca o que o PowerStore oferece: consistência. "É fato que 93% dos clientes estão indo para cloud, com duas ou três mais clouds diferentes. Se essa migração não acontecer de forma madura, o custo pode ser pesado no gerenciamento, na manutenção e no bolso", observa Carlos Cunha.

Especificações

O Dell EMC PowerStore combina automação – incluindo machine learning –, tecnologia de última geração e uma nova arquitetura de software para fornecer uma infraestrutura de armazenamento que ajude as empresas a tirar o máximo proveito da transformação digital. De acordo com a Dell, o PowerStore foi desenvolvido para oferecer disponibilidade de 6 noves (99,9999%).

Além disso, o PowerStore simplifica a infraestrutura de TI, pois dá suporte a uma ampla variedade de cargas de trabalho tradicionais e modernas com sua arquitetura de escalabilidade vertical e horizontal para bloco, File e VMware vVols. O PowerStore é sete vezes mais rápido e tem três vezes mais capacidade de resposta do que os storage arrays intermediários anteriores da Dell EMC.  Um dos motivos se deve ao suporte end to end NVMe, com tecnologia dos SSDs Intel® Optane™.

Tem ainda como diferencial ter uma arquitetura baseada em contêineres: o PowerStoreOS, que é a arquitetura de software baseada em contêineres do sistema, permite portabilidade de recursos, padronização e um rápido tempo de implementação de novas capacidades.


Destaques
Destaques

Multinuvem do Serpro vai concorrer com a do Ministério da Economia

Estruturada a parceria com AWS, Huawei e Azure, da Microsoft, estatal passa a disputar contratos com órgãos públicos, em briga direta com nuvem licitada e gerida pela Secretaria de Governo Digital.

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site