Clicky

Convergência Digital - Home

Governo mantém ‘cloud first’ e prepara nova licitação para reduzir datacenters

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 30/04/2020

A nova Estratégia de Governo Digital, expressa na forma do Decreto 10.332/20, reafirma a política de ‘nuvem primeiro’, fortalecendo o que já tinha virado norma para os órgãos da administração federal com a Instrução Normativa 1, publicada em abril de 2019. A EGD lista dentre as iniciativas a migração dos serviços de pelo menos 30 órgãos até 2022, ao mesmo tempo em que prevê “otimizar” no mínimo 30 datacenters.

“Realizamos, no final de 2018, uma contratação de serviços de nuvem bastante importante, que inaugurou o uso de nuvem pelo governo. Na nossa opinião, essa contratação até o momento foi um sucesso. Tivemos grande procura dos órgãos. Mas está chegando ao final, o volume de serviços a serem contratados já está exaurindo. E obviamente precisamos dar continuidade, porque nossa estratégia é de ‘cloud first’, então queremos ir primeiro para nuvem e evitar expandir de forma desestruturada os datacenters do governo. Portanto teremos novas contratações de nuvem em futuro bem próximo”, adianta o secretário de governo digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro. 

O governo federal tem mais de 130 datacenters e segundo explica Monteiro, muitos deles não oferecem condições necessárias para continuar operando. Por isso, muita coisa vai para a nuvem ou para aqueles datacenters avaliados como de maior maturidade. 

“O governo criou infraestrutura de forma muito desestruturada, desorganizada, descoordenada talvez seja o termo. Cada órgão, cada ministério, cada agência tem seu próprio datacenter. Isso é totalmente irracional. Primeiro porque gasta muito para montar, tem custo fixo grande, gasta muito na operação, e perde sinergia e poder de escala e mobilização porque esses datacenters não se comunicam. Hoje temos mais de 130 datacenters espalhados nos órgãos federais”, diz o secretário.

Segundo ele, “há um volume pequeno de datacenters muito maduros e muito bem avaliados que devem continuar e expandir seus serviços. Mas há na base da pirâmide um volume considerável de datacenters com baixa maturidade. Eles não tem condições que consideramos essenciais no governo para suportar serviços de missão crítica. O que vamos fazer é o ‘moving’ desses datacenters com menor maturidade para datacenters com maior confiabilidade e entre eles a nuvem vai ser objeto da recepção desses serviços, dados e sistemas. Eles não atendem em qualidade, em custos, nem têm condições de escalar para receber a demanda da transformação digital.” Assistam ao trecho da entrevista com Luis Felipe Monteiro.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site