INCLUSÃO DIGITAL

TV Digital avança com troca de tubo por tela fina. Brasileiro aponta TV paga como 'cara'

Ana Paula Lobo* ... 29/04/2020 ... Convergência Digital

O número de lares que recebem o sinal de TV Digital chegou a 86,6% em 2018, ante 79,8% em 2017. Por outro lado, a proporção de domicílios com recepção de TV aberta por antena parabólica vem caindo, assim como a de lares com TV por assinatura, ainda considerada cara por 51,8% das famílias. É o que revela a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) que investigou, no quarto trimestre de 2018, o acesso à Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Pela primeira vez, a pesquisa incluiu dados sobre rendimentos médio e sua relação com os diferentes tipos de serviços.

A coordenadora de trabalho e rendimento do IBGE, Maria Lucia Vieira, diz que há uma correlação positiva do rendimento com a posse de alguns bens. “Os domicílios com TV de tela fina têm rendimentos maiores do que os domicílios com TV de tubo. E o próprio meio de acesso ao sinal de TV digital varia de acordo com o rendimento. Nos domicílios com acesso por TV por assinatura, um serviço mais caro, o rendimento per capita é maior do que os domicílios que captam o sinal por antena parabólica. E varia também de acordo com a região. Em uma área rural, a instalação de parabólica tem menor custo do que a instalação de cabos de TV por assinatura”, analisa a coordenadora do IBGE.

Em 2018, dos 71,7 milhões de domicílios particulares permanentes do país, em 96,4% havia televisão, ante 96,7%, em 2017, repetindo uma tendência de ligeira redução já revelada em 2016. O rendimento dos domicílios sem televisão (R$ 954) representava 58,9% daquele referente ao dos que tinham o aparelho de TV (R$1.620). A região Norte continuou detendo o menor percentual de domicílios com televisão no total (92,3%). A região Sudeste permaneceu com o maior resultado desse indicador no total (97,8%) e em área urbana (97,9%), enquanto que, na área rural, o percentual mais elevado foi o da Região Sul (96,0%).

Cresce adoção do conversor digital

Maria Lucia Vieira observa que, a partir de 2012, começaram a ser produzidos no Brasil televisores de tela fina já com conversor de TV digital integrado. A PNAD aponta que o número de lares com televisores de tela fina subiu de 49 milhões para 53 milhões (de 69,8% para 74,3%) e os com TV de tubo caiu de 27 milhões para 23 milhões (de 38,8% para 31,9%) na passagem de 2017 para 2018.

A migração entre os dois tipos de aparelho é acelerada. A parcela dos que tinham somente televisão de tela fina estava em 52,3%, em 2016, subiu para 57,9%, em 2017, e alcançou 64,5%, em 2018. Já o percentual dos domicílios em que havia somente televisão de tubo estava em 32,2%, em 2016, caiu para 27,0%, em 2017, e baixou para 22,1%, em 2018.

“A concentração de domicílios apenas com TV de tubo é maior no Norte e no Nordeste. E o rendimento médio é menor (R$ 1.008) do que nos domicílios que têm somente TV de tela fina (R$ 1.875)”, observa Alessandra Scalioni Brito, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE.

TV Digital já é captada em 90% dos domicílios urbanos com televisores

Em 2018, havia 59,8 milhões de domicílios com televisão com conversor de TV digital, representando um aumento de 79,8% em 2017, para 86,6%, em 2018. Em área urbana, a expansão foi de 83,7% para 89,9%; mas a maior intensidade de migração se dá na área rural que subiu de 53,5% para 64,1%.

“O grande aumento na adoção do conversor foi nos domicílios que tinham TV de tubo, passando de 41,8% para 54,9%. Por outro lado, quase 100% dos aparelhos com tela fina já têm conversor, percentual passou de 94,7% para 96,0%”, acrescenta Alessandra Scalioni.

Mas ainda havia, em 2018, 2,14 milhões de domicílios sem alternativa para receber o sinal de TV digital. Eles incluem os domicílios com aparelho sem conversor que também não recebiam sinal de televisão por antena parabólica e nem tinham serviço de televisão por assinatura. Esse número caiu de 6,2% para 3,1%, de 2017 para 2018. “Isso muda de acordo com as regiões. No Norte corresponde a 4,5% dos domicílios com TV, no Nordeste a 4,5%, no Sudeste 2,2%, no Sul 2,9% e no Centro Oeste 2,7%. O prazo para o desligamento total do sinal analógico foi adiado de dezembro de 2018 para 2023”, ressalta Maria Lucia Vieira.

Cai o número de TV por parabólica

A pesquisa identificou uma redução no percentual de domicílios com recepção de antena parabólica que caiu de 32,4% para 30%. Há quedas tanto na área urbana (de 26,8% para 24,6%) quanto na rural (de 70,5% para 66,7%). Regionalmente, a maior concentração de domicílios com antena parabólica é no Nordeste (43,8%) e no Norte (41,0%).

O rendimento real médio per capita dos domicílios com televisão que tinha recepção por antena parabólica (R$ 1.160) ficou em patamar abaixo daquele dos domicílios com televisão sem este tipo de antena (R$ 1.817).

Maria Lucia Vieira ressalta que, enquanto as antenas parabólicas são mais frequentes na área rural, na área urbana há maior uso de TV por assinatura. A PNAD TIC identificou uma ligeira redução no percentual de domicílios com TV por assinatura, que passou de 32,9% para 31,8%. A diminuição ocorreu em área urbana (de 35,6% para 34,3%) e houve ligeiro aumento na área rural (de 14,1% para 14,9%).

O Sudeste continuou detendo o maior percentual de domicílios com TV por assinatura no total (41,4%), em área urbana (42,2%) e em área rural (28,4%), enquanto o Nordeste, permaneceu com o menor no total (17,6%) e em área urbana (20,5%). A Região Norte ficou com o mínimo em área rural (7,8%).

“Em relação aos motivos para a não adoção do serviço de TV por assinatura, 51,8% consideram o serviço caro e 42,5% não têm interesse, principalmente nas regiões Sul e Sudeste”, diz Maria Lucia Vieira.

Em conjunto, esses dois motivos mais indicados abrangiam 94,3% dos domicílios com televisão sem o serviço de televisão por assinatura. Mas o percentual dos que não têm acesso à TV por assinatura porque os vídeos (inclusive de programas, filmes ou séries) acessados pela Internet substituíam este serviço já representavam 3,5%, enquanto os que não o tinham por não estar disponível na área em que se localizava o domicílio, somente 1,6%.

A pesquisa também revela que o serviço de TV por assinatura é altamente dependente de renda. O rendimento real médio per capita dos domicílios que tinham televisão por assinatura (R$ 2.721) suplantou o daqueles sem este tipo de serviço (R$ 1.106). Na área rural, o rendimento de quem não tem acesso a TV por assinatura (R$ 726) representou 60,7%, daquele auferido pelos domicílios com acesso a este tipo de serviço (R$ 1.197). Esse percentual ficou em 41,8%, em área urbana (R$ 1.178 frente a R$ 2 818).

“Comparando com o serviço de recepção por antena parabólica, o rendimento desses domicílios (R$ 1.160) representava 42,6% daquele com acesso a serviço de televisão por assinatura (R$ 2.721). Isso porque, enquanto a TV por assinatura está relacionada a quem tem condições de pagar; a TV por parabólica é uma necessidade onde não há sinal de TV”, conclui a coordenadora do IBGE.

*Com informações do IBGE


Brasil soma 424 milhões de dispositivos digitais em uso. Smartphone é o rei

São 234 milhões de smartphones em uso no País e 190 milhões de computadores, revela pesquisa da FGVcia/SP. Em 2019, foram 12 milhões de PCs vendidos. Em 2020, a Covid-19 exigiu a troca de dispositivos e deverá incrementar o mercado, diz o professor Fernando Meirelles.

Aloo Telecom cede rede de fibra ótica para viabilizar UTI virtual

A Aloo Telecom é responsável por toda a tecnologia por trás do projeto UTI Virtual, em pareria firmada com o Hospital do Coração (HCOR) e a Fundação Cardiovascular de Alagoas (Cordial). Aliança permitirá atendimento em tempo rela para 100 leitos nos hospitais do SUS de Alagoas.

No Brasil, 58% dos usuários usam apenas o celular para acessar à Internet

Nas classes D e E, o celular é o meio de acesso à rede de 85% e na área rural, ele responde pelo acesso de 70%. PCs perdem vez e as TVs avançam.

Menos de 1% dos sites no Brasil passou nos testes de acessibilidade

Brasil tem cerca de 14 milhões de sites ativos, segundo dados pesquisados pelo movimento Web para Todos.

França vai obrigar remoção de conteúdo de redes sociais em 1 hora

Lei impõe a rápida exclusão de conteúdos que envolvam pedofilia e terrorismo e dá até 24 horas para remoção do que for considerado “manifestamente ilícito”. 

eGov digital: atendimento em tempo real fica abaixo de 10% no Brasil

Pesquisa TIC Governo Eletrônico 2019 mostra que o uso dos chatbots ficou em 8% nos órgãos federais. Nos estaduais, o percentual cai para 5%.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G