Home - Convergência Digital

Google entra na guerra da videoconferência e libera Google Meet de graça

Convergência Digital* - 29/04/2020

O G Suite vai disponibilizar o Google Meet, sua ferramenta avançada de videoconferências, de forma gratuita para todos que tenham uma conta G-mail ou qualquer outra conta de e-mail. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 29/04, em plena guerra dos gigantes Microsoft, Facebook, WhatsApp e a Zoom.

Os usuários poderão fazer encontros on-line com até 100 pessoas conectadas simultaneamente, sem limite de tempo (após 30 de setembro, a duração será ajustada para um máximo de 60 minutos). Para isso, basta ter uma conta do Google (se a pessoa não possui, basta criar uma -- não é necessário usar ou ter um Gmail). As videoconferências contam com as ferramentas do Meet, como modo de exibição dos participantes em blocos expandidos, legendas automáticas ao vivo - por enquanto, disponíveis em inglês, entre outras.

Empresas de todos os setores, como saúde, varejo e finanças, além de áreas como a educação e o setor público, estão recorrendo à tecnologia neste momento de isolamento. Agora, qualquer usuário poderá ter as facilidades e proteções que o Meet oferece. "Estamos no meio de uma mudança mundial muito significativa, que afeta a comunicação nos locais de trabalho e nas escolas, entre outros momentos e situações. As pessoas querem ferramentas fáceis de usar, e seguras, para que possam utilizar em diversas situações do dia a dia", explica Javier Soltero, VP de G Suite.

Recentemente, foram anunciadas melhorias como a detecção e diminuição de ruídos externos nas chamadas por vídeo, o ajuste automático de iluminação, entre outras novidades que poderão ser usufruídas por todos. "Estamos sempre ouvindo as principais necessidades de nossos usuários. O uso diário do Meet é hoje 30 vezes maior do que era em janeiro deste ano, o que demonstra a importância em se investir para melhor atender essa demanda", complementa o executivo.

"Nossa abordagem de segurança é simples: torne os produtos seguros por padrão", afirma Javier. O Meet foi criado para operar em uma base segura, fornecendo as proteções necessárias para manter os usuários e seus dados seguros e suas informações privadas. Dentre as medidas padrões tomadas pelo G Suite para o Meet, e seus outros aplicativos, estão:

Controle do moderador durante as videoconferências, contendo os logins nas ligações;

Proibição de acessos anônimos nas reuniões;

Complexos códigos de proteção das reuniões, evitando que sejam invadidas;

Não exigência de plugins e programas de extensão para o funcionamento do aplicativo;

Os usuários podem registrar suas contas no Programa de Proteção Avançada, eficiente contra phishings e perdas de contas; e

Certificações de conformidade globais;

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/06/2020
STJ transfere para agosto decisão de quebra de sigilo do Google Brasil

04/06/2020
Convenções partidárias para Eleições 2020 podem ser feitas por videoconferência

27/05/2020
Google abre temporada de cursos gratuitos sobre nuvem

25/05/2020
Time inglês quer usar Zoom para ter 2 mil torcedores na luta contra o rebaixamento

11/05/2020
MPF pede ao Google para tirar do ar vídeo de pastor vendendo feijão como cura da Covid-19

07/05/2020
Afetada por vazamentos de dados, Zoom compra empresa de criptografia

05/05/2020
STJ retoma julgamentos com uso de videoconferência

05/05/2020
Justiça diz que Google não é obrigada a avisar que vídeo da Porta dos Fundos pode ofender religiosos

29/04/2020
Google entra na guerra da videoconferência e libera Google Meet de graça

27/04/2020
Lei autoriza videoconferência em conciliação de Juizados Especiais

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site