Clicky

Home - Convergência Digital

Google entra na guerra da videoconferência e libera Google Meet de graça

Convergência Digital* - 29/04/2020

O G Suite vai disponibilizar o Google Meet, sua ferramenta avançada de videoconferências, de forma gratuita para todos que tenham uma conta G-mail ou qualquer outra conta de e-mail. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 29/04, em plena guerra dos gigantes Microsoft, Facebook, WhatsApp e a Zoom.

Os usuários poderão fazer encontros on-line com até 100 pessoas conectadas simultaneamente, sem limite de tempo (após 30 de setembro, a duração será ajustada para um máximo de 60 minutos). Para isso, basta ter uma conta do Google (se a pessoa não possui, basta criar uma -- não é necessário usar ou ter um Gmail). As videoconferências contam com as ferramentas do Meet, como modo de exibição dos participantes em blocos expandidos, legendas automáticas ao vivo - por enquanto, disponíveis em inglês, entre outras.

Empresas de todos os setores, como saúde, varejo e finanças, além de áreas como a educação e o setor público, estão recorrendo à tecnologia neste momento de isolamento. Agora, qualquer usuário poderá ter as facilidades e proteções que o Meet oferece. "Estamos no meio de uma mudança mundial muito significativa, que afeta a comunicação nos locais de trabalho e nas escolas, entre outros momentos e situações. As pessoas querem ferramentas fáceis de usar, e seguras, para que possam utilizar em diversas situações do dia a dia", explica Javier Soltero, VP de G Suite.

Recentemente, foram anunciadas melhorias como a detecção e diminuição de ruídos externos nas chamadas por vídeo, o ajuste automático de iluminação, entre outras novidades que poderão ser usufruídas por todos. "Estamos sempre ouvindo as principais necessidades de nossos usuários. O uso diário do Meet é hoje 30 vezes maior do que era em janeiro deste ano, o que demonstra a importância em se investir para melhor atender essa demanda", complementa o executivo.

"Nossa abordagem de segurança é simples: torne os produtos seguros por padrão", afirma Javier. O Meet foi criado para operar em uma base segura, fornecendo as proteções necessárias para manter os usuários e seus dados seguros e suas informações privadas. Dentre as medidas padrões tomadas pelo G Suite para o Meet, e seus outros aplicativos, estão:

Controle do moderador durante as videoconferências, contendo os logins nas ligações;

Proibição de acessos anônimos nas reuniões;

Complexos códigos de proteção das reuniões, evitando que sejam invadidas;

Não exigência de plugins e programas de extensão para o funcionamento do aplicativo;

Os usuários podem registrar suas contas no Programa de Proteção Avançada, eficiente contra phishings e perdas de contas; e

Certificações de conformidade globais;

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/04/2021
Globo migra data center de produção digital para a nuvem pública do Google Cloud

05/04/2021
Em reviravolta na Suprema Corte, Google derrota Oracle em ação bilionária pelo uso da Java

30/03/2021
Brasil é top 5 entre os países que mais mandam tirar conteúdo do Google

09/03/2021
Google abre inscrições para estágio na área de tecnologia

27/01/2021
Emissão de certificado digital pela internet vai usar bases de dados da CNH e do TSE

26/01/2021
Google alerta sobre ‘nova engenharia social’ que explora Windows 10 e Chrome

22/01/2021
Google, sem retorno financeiro, diz adeus ao projeto de internet por balões

21/01/2021
Depois de Brasil e Alemanha, Google vai remunerar notícias na França

13/01/2021
Mercado Livre escolhe Google Cloud para missão crítica SAP

14/12/2020
Google responsabiliza Google Cloud por serviços indisponíveis

Destaques
Destaques

Highline se propõe a comprar licença 5G e oferecer espectro como serviço para ISPs

A proposta da empresa, explicou Luis Minoru, diretor de estratégia e novos negócios, é o de oferecer toda a infraestrutura na modalidade de serviço. Já há testes em andamento, não revelados, para o funcionamento da modalidade que inclui a operação de telefonia móvel.

Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Com rede sujeita a apagões, qual impacto do 5G na energia no Brasil?

Por Pedro Al Shara*

Segundo pesquisa da Vertiv, fornecedora de equipamentos e serviços para infraestrutura crítica, um aumento da ordem de 150% a 170% no consumo energético é projetado no setor de Telecom até 2026. Com toda a inovação que o 5G representa, mais dispositivos poderão acessar a internet móvel ao mesmo tempo, utilizando o mesmo sinal.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site