GESTÃO

Covid-19 adia implantação do ‘cadastrão’ dos dados federais

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/04/2020 ... Convergência Digital

O Comitê Central de Governança de Dados, a quem compete a governança do cadastro unificado de dados dos cidadãos brasileiros em poder do Estado, soltou uma recomendação à Secretaria de Governo Digital para que sejam suspensos os prazos relacionados à implantação do ‘cadastrão’ federal. 

Segundo o Comitê, a medida se justifica “em razão do estado de calamidade pública em consonância com a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus”.

Formalmente, a nova orientação altera a Resolução 2/20 do Comitê, na qual foi fixado o prazo de 90 dias para que órgãos e às entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional atuassem a fim de “categorizar seus conjuntos de informações para fins de compartilhamento de dados”.

Como resultado, a norma manteve os 90 dias, mas suspendeu o marco inicial desse prazo. O que antes começava a correr desde 20/3 último, agora deverá ficar à espera de uma nova resolução do Comitê Central de Governança de Dados para início da contagem. 


Carreira
Tonny Martins vai para a IBM América Latina. IBM Brasil terá novo líder

Executivo terá a missão de trabalhar em duas áreas consideradas críticas na região para a IBM: Open Hybrid Cloud e Inteligência Artificial. Ana Paula Assis, que estava na função, fica na IBM em uma 'função global executiva'.

Governo busca interesse dos órgãos federais em postos para carros elétricos

Acordo entre o governo federal e o governo do Distrito Federal já prevê a instalação de seis ‘eletropostos’, mas demanda pode aumentar esse número.

Governo chega à marca de 1 mil serviços públicos digitalizados

Desempenho mantém em curso a meta de digitalização total de 3,8 mil serviços até 2022. 

Intelit: LGPD não é um único software que vai resolver tudo

A governança do processo de dados é crucial para uma boa implementação da legislação, sustenta o CEO da Intelit, Lincoln dos Santos Pinto. Segundo ele, o atraso da grande parte das empresas decorre da falta de dinheiro e da incerteza sobre a vigência da lei.

Intelit: Compras públicas têm de abrir espaço à inovação e às startups

O CEO da prestadora de serviços de TI, Lincoln dos Santos Pinto, observa que um processo de compra pública leva em torno de seis meses, o que atrasa a inovação. Sobre a venda do Serpro e Dataprev, lembra da LGPD e defende o Estado como tutor dos dados pessoais do cidadão.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G