Clicky

GOVERNO

Dataprev cruza mais de 200 milhões de dados para app de auxílio emergencial

Luís Osvaldo Grossmann ... 07/04/2020 ... Convergência Digital

Para viabilizar a identificação de quais os brasileiros têm direito a receber o auxílio emergencial criado para apoio a famílias de baixa renda durante a pandemia do coronavírus, a Dataprev vai usar várias bases de dados do governo federal, bem como o maior banco informações do país, consolidado no Cadastro Nacional de Informações Sociais, para cruzar dados e checar quem pode receber os depósitos de R$ 600. 

“Fizemos o processamento de 75 milhões de registros do Cadastro Único [dos Benefícios Sociais] para chegar no dia de hoje com um cadastro que tem por volta de 10 milhões de pessoas habilitadas a receber o auxilio emergencial. Esse é o arquivo que será enviado para a Caixa”, explicou o presidente da Dataprev, Gustavo Canuto. 

“Existe um batimento de informações em diversos sistemas do governo, da Receita Federal e mais um montão de sistemas, do eSocial, sistemas que estão dentro da Dataprev, que faz essa checagem, e que envia os dados para o Ministério da Cidadania, que faz a validação e envia à Caixa”, completou o diretor de desenvolvimento da estatal, André Côrte. 

A fatia que envolve o Cadastro Único fora do Bolsa Família já foi processada. Outra envolve os beneficiários do Bolsa Família, cuja análise será feita automaticamente pela Dataprev, com base nos critérios estabelecidos pela legislação: o auxílio emergencial só pode ser recebido por famílias com renda familiar de até três salários mínimos. 

Uma parte complementar, porém, exige o cruzamento de dados com novas informações. “O foco e o público alvo do aplicativo são os microempreendedores individuais, os contribuintes individuais e os trabalhadores informais. Precisamos de algumas informações que as bases não detém. Por isso o aplicativo essencial, porque vai completar essas lacunas para que a gente possa fazer o processamento”, disse. 

Essa parte exige, portanto, capturar as informações que os informais e MEIs colocarão no app “Caixa Auxílio Emergencial”, que durante a tarde desta terça, 7/4, já contava com mais de 8 milhões de downloads para dispositivos Android. Com esses dados complementares, a Dataprev vai bater as informações com o CNIS. 

“Temos no Cadastro Nacional de Informações Sociais, que é o maior cadastro do Brasil, um ecossistema de dados de sistemas e processos, 209 milhões de CPFs cadastrados, com várias informações. E são essas informações que vão ser cruzadas com as pessoas que vão requerer por meio do aplicativo. Vamos bater isso com esse grande registro de 209 milhões de CPFs, para verificar quem é o cidadão, se tem ou não direito, se atende todos os requisitos. Com a primeira amostra de hoje vamos verificar se o motor está funcionando como deve”, completou o presidente da Dataprev. 

Todos os benefícios serão pagos por meio da Caixa Econômica Federal, inclusive para quem não tem conta no banco público – para quem será criada uma conta gratuita e que poderá fazer até três transferências sem custos para qualquer outra instituição financeira. A ideia é usar o app já existente ‘Caixa Tem’ e, como reconhece a CEF, um projeto simultâneo de bancarização. 

“O aplicativo Caixa Tem foi criado para facilitar o acesso. Foi construído a partir da experiência das pessoas mais simples. A caixa fez um trabalho grande de estudo. De fato o esforço da Caixa, como banco público, foi um estudo profundo de como bancarizar de maneira fácil e rápida”, afirmou o vice presidente de Rede e Varejo da CEF, Paulo Henrique Angelo. 


STF decide julgar compartilhamento de dados no Governo sem aval judicial

Caso envolve o compartilhamento de dados entre o Ministério Público Eleitoral, Receita Federal e Tribunal Superior Eleitoral. Para o presidente do STF, Luiz Fux, a Corte vai decidir sobre o direito à privacidade, incluído o sigilo fiscal e bancário, sem a autorização prévia judicial.

Bolsonaro recoloca Jarbas Valente no comando da Telebras

Ex-conselheiro e vice-presidente da Anatel deixou a estatal para ser substituído por Waldemar Gonçalves Ortunho Junior, em abril de 2019, mas, agora, retoma à companhia com a nomeação do coronel para a direção da Agência Nacional de Proteção de Dados.

BNDES vai pagar R$ 8 milhões para preparar a venda do Serpro e da Dataprev

Consórcio vencedor reúne Accenture, a multinacional de RP Burson-Marsteller e o escritório Machado, Meyer, Sendacz, Opice e Falcão Advogados.

Governo alega prejuízo de R$ 10 bi e vai ao STF contra desoneração da folha

Benefício, que acabaria este ano, foi prorrogado para dezembro de 2021, por decisão do Congresso Nacional, que derrubou o veto do governo. A desoneração da folha é considerada essencial para as empresas de TI e Telecom. Governo diz que medida é inconstitucional.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G