Home - Convergência Digital

Nova onda de fake news contra 5G faz britânicos queimarem antenas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 06/04/2020

Com 5 mil mortes pela Covid-19, o Reino Unido sofre ao longo dos últimos dias um novo problema: a disseminação de notícias enganosas que associam 5G com coronavírus resultou em várias torres sendo queimadas, como mostram vídeos postados em diferentes redes sociais, como Facebook, YouTube e Instagram. 

O governo britânico já se manifestou em apelo para que a “bobagem perigosa” seja encerrada e as quatro principais operadoras móveis do país lançaram um comunicado conjunto igualmente pedindo o fim dos ataques, que também ameaçam funcionários que tentaram fazer reparos nas estações radio base. 

“Não apenas são alegações sem base, são também prejudiciais às pessoas e aos negócios que dependem da continuidade dos serviços”, diz a nota assinada pela EE, o2, Three, e Vodafone. “Também levaram a abusos contra nossos engenheiros e, em alguns casos, evitaram manutenções essenciais na rede acontecerem.”

Os ataques às antenas se deram especialmente em Birmingham, Liverpool e Merseyside. A Vodafone confirmou quatro torres queimadas. A EE confirmou pelo menos uma, que sequer era de 5G, mas novos vídeos de torres incendiadas foram postadas nas redes sociais no domingo, 5/4. 

Tudo indica que a teoria da conspiração que alimenta os ataques sustenta que antenas de 5G facilitam a propagação do coronavírus, em boatos que começaram ainda em janeiro apontando que a África não tinha problemas com a Covid-19 porque não tem 5G instalado – o continente registra, até aqui, 7,7 mil casos e mais de 300 mortes. 

Segundo os noticiários britânicos, as ‘fake news’ à respeito aparecem em duas vertentes, de um lado apontando que o 5G ataca o sistema imunológico, deixando as pessoas mais suscetíveis à contaminação pelo vírus. De outro, alegam que o coronavírus é capaz de ser transmitido pelo próprio uso da tecnologia 5G. “São o pior tipo de fake news”, segundo autoridades de saúde do Reino Unido. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

01/06/2020
CPQD se filia à consórcio de inovação aberta para o 5G

01/06/2020
Empresa de registro de jornada à distância cresce 20% com Covid-19

01/06/2020
Teletrabalho atinge 51% do serviço público federal

01/06/2020
Latinos desconfiam de censura em dados sobre a Covid-19

29/05/2020
Aloo Telecom cede rede de fibra ótica para viabilizar UTI virtual

29/05/2020
Justiça exige mudanças no portal e no app do Auxílio Emergencial e cobra explicação da Dataprev

29/05/2020
Câmara prorroga desoneração da folha de TI até dezembro de 2021

28/05/2020
Caixa Tem amplia compras pelo celular e alcança 2,1 milhões de transações digitais

27/05/2020
Cisco: 'Sempre estivemos e estamos no jogo do 5G"

27/05/2020
Teletrabalho: medo de perder emprego cria obrigação de ficar 100% online

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site