OPINIÃO

Os bancos estão vivendo um momento Kodak?

Por Edgardo Torres Caballero*
30/03/2020 ... Convergência Digital

Muitos gigantes caíram ao reagir tarde demais à evolução das necessidades dos consumidores. A Kodak, apesar de desenvolver a primeira câmera digital, não acreditava que esse novo estilo de fotografia fosse dominar o mercado e, portanto, não aproveitou as oportunidades oferecidas por aquele lançamento. Eles decidiram se concentrar nos antigos filmes, não na inovação, e caíram após um século de sucesso.

Agora, embora muitos neguem, os bancos estão ameaçados pelas fintechs, os novos e ágeis provedores financeiros que oferecem produtos inovadores, com respostas e serviços rápidos, impulsionados pela tecnologia de última geração. Habilitadas pelos órgãos reguladores e alimentadas por capital de risco, essas fintechs são as queridas do mercado e começam a gerar renda significativa.

Os bancos devem responder ao mesmo dilema que a Kodak enfrentou: aproveitar a tecnologia disponível e inovar ou sentar e esperar enquanto seu valor diminui.

O caminho para o crescimento

As grandes instituições financeiras podem e devem atuar neste novo mercado digital. Os bancos de varejo sofreram uma mudança nas expectativas dos clientes, à medida que os nativos digitais se afastam dos bancos tradicionais e se posicionam a favor dos serviços bancários móveis. Este grupo adquiriu participações significativas no mercado não bancarizado, que pode ser acessado no nível de serviço desejado. Operando como empresas de tecnologia e oferecendo soluções simples focadas na experiência do cliente, bancos digitais mostraram um crescimento exponencial que demonstra o poder desse modelo de negócios.

O crescimento a longo prazo dos bancos consiste em otimizar a experiência do cliente e conectar-se com os nativos digitais longe do sistema financeiro tradicional. Para isso, devem ser construídos não para durar, mas para mudar. Hoje, a agilidade não é uma vantagem competitiva, mas uma questão de sobrevivência. Para avançar, os bancos devem aproveitar seu superavit, uma vantagem importante sobre as fintechs, para criar uma divisão bancária digital ou spin-off.

Lanchas rápidas e os grandes cruzeiros

Podemos nos relacionar com bancos tradicionais como cruzeiros: grandes, caros para operar e lentos para manobrar. Já os bancos digitais podem ser vistos como uma lancha: operadores ágeis e independentes, projetados para mudanças, capazes de serem lançados em 12 meses, sem restrições geográficas e capazes de entrar facilmente em novos mercados.

Sem vínculos com o banco de origem, a lancha se separa dos processos organizacionais e avança com agilidade; priorizando APIs, tecnologia originadas na nuvem e arquitetura em componentes.

Como Clayton Christensen aponta em "O dilema inovador", as tecnologias de manutenção são diferentes das tecnologias inovadoras. "Sustentabilidade é a melhoria contínua das tecnologias estabelecidas. Inovação implica uma nova proposta de valor. Os gerentes que enfrentam tecnologias inovadoras fracassam em suas empresas quando deixam que as forças organizacionais as dominem ... "

Boas-vindas as novas metodologias, processos e pessoas

Esta é a razão que os bancos precisam para lançar sua versão digital e operá-la de forma independente da organização de origem, em vez de investir em projetos de TI caros de vários anos para atualizar seus sistemas legados. Porque quando essa atualização for finalmente implementada, é provável que o mercado e a tecnologia já tenham avançado.

O spin-off deve ser um braço inovador que atenda a uma necessidade ou segmento específico do mercado. Isso requer uma nova liderança focada exclusivamente no sucesso do banco digital, sem gerar atritos com as necessidades da organização. Além disso, esses líderes devem liderar uma cultura de inovação desde o primeiro dia, permitindo que o banco digital atue como uma startup, totalmente livre das restrições dos processos herdados. Essa abordagem é orientada por uma tecnologia requintada, com uma arquitetura em componentes, que permite o rápido lançamento de novos produtos em resposta às demandas do mercado.

Sustentabilidade a longo prazo

Se os bancos tradicionais adotarem uma visão estratégica de mercado e permitirem que seus spin-offs digitais evoluam seus processos tradicionais, eles se tornarão sustentáveis a longo prazo. Sendo bem-sucedido, os clientes existentes poderão migrar para a nova operação. Embora pareça canibalização, essa opção é mais lucrativa do que perder clientes para os concorrentes.

A Kodak enfrentou essa escolha. Eles poderiam ter seguido a fotografia digital, mas temiam que isso consumisse o negócio de filmes. Se tivessem focado na criação de novas soluções digitais, teriam conquistado novos clientes e feito a transição de antigos clientes para novos produtos, garantindo sua liderança no mercado.

As instituições financeiras devem priorizar a agilidade para permanecerem relevantes. Melhorar os sistemas legados não os tornará à prova do futuro, pois o ecossistema Fintech experimentará uma evolução drástica durante esta década. No entanto, com um spin-off digital projetado para mudanças, os bancos podem operar na mesma velocidade das startups. Grandes cruzeiros podem lançar uma lancha ou duas. Ao aproveitar o sistema bancário de arquitetura em componentes, os parceiros adequados e uma visão de longo prazo, os bancos podem garantir seu futuro.

*Edgardo Torres-Caballero é Diretor Geral da Mambu para as Americas


Carreira
ABES Academy abre segunda turma do curso de LGPD

Curso de 8 aulas e certificado oferece teoria e prática sobre novas regras de proteção de dados. Pesquisa da entidade, em parceria com a E&Y, mostra que apenas 40% das empresas estão adequadas à legislação.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G