Clicky

Convergência Digital - Home

Contrato do Serpro com AWS é o primeiro em projeto de multinuvem

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 24/03/2020

O contrato firmado pelo Serpro com a AWS, na modalidade de parceria de negócios, como prevista na Lei das Estatais (13.30316) é o primeiro formalizado a partir de um chamamento público aberto pela empresa no fim do ano passado para buscar fornecedores interessados em um projeto de multinuvem. 

Expressamente, a consulta colheu propostas técnicas “visando identificar Provedores de Serviços em Nuvem nas modalidades Infraestrutura como Serviço (IaaS), Plataforma como Serviço (PaaS) e Software como Serviço (SaaS) interessados para, em regime de parceria de negócio, prover serviços na plataforma multinuvem do Serpro”. 

Conforme apresentações feitas pela estatal desde 2018, a estratégia é calcada a partir da plataforma Estaleiro, que seria a nuvem do próprio Serpro. Além dessa, a AWS é um primeiro parceiro, mas o desenho original previa adesão de outros grandes fornecedores de cloud computing. 

Na época, vale lembrar, o então Ministério do Planejamento, especificamente nas funções atualmente tocadas pela Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, vinha preparando um edital do que seria a primeira nuvem pública da administração federal – e a primeira ideia era contratar um broker de serviços multinuvem. 

A proposta acabou sendo alterada para um fornecedor único, que por sinal é a própria AWS, por meio de uma parceria com a Claro/Embratel. Essa primeira licitação, no formato de Registro de Preços, reúne 23 órgãos federais. Mas a intenção declarada da Secretaria de Governo Digital é fazer novas contratações – até porque a ata está por vencer. É nesse contexto que o Serpro se movimentou como broker. 

Dessa forma, a parceria de negócios firmada com a AWS tem uma estimativa de R$ 71,2 milhões em cinco anos, mas o valor vai depender da efetividade da prospecção de novos negócios por parte da estatal. É no fundo, segundo envolvidos nas tratativas, uma espécie de contrato de risco, baseada na demanda crescente por ferramentas que viabilizem a transformação digital do Estado. 


LEIA TAMBÉM:
Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site