INTERNET

Demonizar a Internet não resolve a falta de educação

Ana Paula Lobo e Pedro Costa, do Rio de Janeiro ... 18/03/2020 ... Convergência Digital

Demonizar a Internet por conta da falta de diálogo e educação do brasileiro é um equívoco, afirma Caio Almeida, da ONG Safernet, que tem a missão de defender e promover os direitos humanos na Internet.

À CDTV, do portal Convergência Digital, durante a sua participação na 14ª edição do Dia Internacional de Segurança em Informática (DISI), realizada pelo CAIS/RNP, no dia 13 de março, no Rio de Janeiro, Caio Almeida lembrou que há uma diferença essencial entre pais e filhos na Internet.

"Os pais não tiveram acesso tão cedo à Internet. Os filhos já têm. Isso cria uma distância. Mas demonizar a tecnologia não resolve nada. Temos que fazer a tecnologia ser usada de forma correta. Diálogo e educação são essenciais na Internet brasileira. A incivilidade digital nada mais é do que o retrato da nossa sociedade", adverte. Assistam a entrevista com Caio Almeida, da Safernet.


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

Convenções partidárias para Eleições 2020 podem ser feitas por videoconferência

TSE decidiu que os partidos têm autonomia para utilizarem as ferramentas tecnológicas que entenderem mais adequadas para suas convenções.

Latinos desconfiam de censura em dados sobre a Covid-19

No Brasil, 47% acreditam em controle nas mídias e redes sociais. Abaixo de Espanha (54%), México (59%) e Colômbia (61%). Aqui, a TV teve a preferência para acesso à informação. Nas redes sociais, o Facebook e o WhatsApp empataram com 34%.

STF: Fachin diz que bloqueio do WhatsApp passa pela Autoridade de Dados

Assim como Rosa Weber, que relata a ADI 5527, Edson Fachin defendeu o direito ao uso da criptografia. Julgamento foi suspenso.

MP de Brasília abre inquérito para apurar venda de dados pessoais

Empresa na mira do Ministério Público do Distrito Federal e Territorios (MPDFT) é a Procob S.A. De acordo com a denúncia, essa empresa comercializa relatórios contendo informações como endereço, telefones, e-mails e outros.

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G