Clicky

Convergência Digital - Home

SAS: Governança e orquestração desafiam analytics na nuvem

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 12/03/2020

As soluções mais robustas de analytics demoraram a migrar para o modelo de computação em nuvem até porque houve uma aposta relevante no open source - que trouxe uma série de facilidades à administração da TI - mas inoculou no analytics a complexidade da governança, mas verticais relevantes como finanças e telecomunicações já levam a análise de dados para a missão crítica, conforme executivos do SAS Brasil explicaram, durante coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, 12/03.

Os insumos que alimentam o analytics usado estrategicamente pelas companhias têm em sua base dados sensíveis; por isto, a opção das companhias, até então, estava sendo na linha de rodar a solução em casa. "As empresas demoraram muito para decidir colocar o data lake do lado de fora, por diversos motivos, como a latência, que pode ser um problema. Então, demoramos tanto quanto os clientes, que não estavam pedindo ou fazendo isto", disse Cassio Pantaleoni, country manager do SAS Brasil. Segundo ele, a migração de analytics para nuvem é uma nova onda para as aplicações cloud, muito em função da própria transformação digital.

Para Alexandre Sapia, diretor de serviços do SAS para América Latina, explicou que a migração vem ocorrendo, mas o modelo híbrido, de coexistência entre distintas plataformas, deve prevalecer. "A governança e a orquestração dos dados para gerar os insights têm se tornado o grande desafio", apontou. O SAS aposta em serviços e nuvem para manter crescimento. A empresa tem a AWS como principal provedor de nuvem e vai anunciar mais parceiros em breve, adiantou Pantaleoni. Para 2020, a oferta como serviço é um pilar estratégico.

"Temos em fase final de produção um catálogo de serviços", disse o líder da multinacional no Brasil. De acordo com ele, o objetivo é ter a capacidade de entregar as soluções no framework que o cliente quiser. Pantaleoni disse que a meta é que SaaS seja mais representativo para a companhia, chegando, no Brasil, a representar metade das receitas.

Resultados

O SAS cresceu no Brasil 24% em 2019 em relação a 2018, puxado, principalmente, pela demanda por analytics e experiência do cliente. A título de comparação, o CARG desde 2008 está entre 7% e 8% no Brasil. Do total apurado, as novas receitas tiveram crescimento de 20%, enquanto as receitas recorrentes aumentaram 29% no mesmo período. De acordo com Pantaleoni, o Brasil representa uns 6% da receita global do SAS de 35% da América Latina. Em 2018, as receitas operacionais da multinacional foram de US$ 3,27 bilhões.

Em relação à linha de produtos, fraude, internet das coisas, customer intelligence e risco foram as soluções que registraram crescimento acima da meta interna estipulada. Em fraude, as três esferas de governo são áreas estratégicas para o AS; já em IoT o principal comprador é o setor privado, com bancos e telcos na liderança.
Nas operadoras de telecomunicações, explicou Bruno Maia, diretor de inovação do SAS para América Latina, network analytics está em produção desde 2018 com objetivo de ampliar a detecção de eventos e fazer o tratamento em tempo real.

Com relação às expectativas para 2020, Pantaleoni disse que espera um aumento de 10% nas receitas em 2020, em relação a 2019, e afirmou estar avaliando os impactos econômicos do coronavírus Codiv-19 para a empresa. "Todo mundo vai rever a meta. Mas, pelos números que estamos monitorando, o nosso primeiro trimestre deve ser bom, se não tiver nenhuma medida do governo de retirar autonomia das empresas", pontuou o country manager. 


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site