Governo e Anatel: Oferta de Vivo/TIM pela Oi móvel ajuda retomada " /> Compra da Oi Móvel afeta competição, espectro, mercado e até universalização - Convergência Digital - Telecom

Compra da Oi Móvel afeta competição, espectro, mercado e até universalização

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/03/2020 ... Convergência Digital

O movimento conjunto de Vivo e TIM para a compra da operação móvel da Oi não chega a surpreender diante da declarada intenção de venda da própria operadora. Mas se traz um alento a uma empresa ainda às voltas com uma recuperação que envolveu dívidas de R$ 65 bilhões, é um negócio complexo por diferentes ramificações, como avalia o presidente da Anatel, Leonardo Morais. 

“A competição não está atrelada ao número de competidores. Posso ter 10, 20 competidores, mas se um deles tiver 90% do mercado isso não se traduz em rivalidade. Mas o mercado brasileiro tem um dos maiores graus de competição e queremos que isso seja mantido. Qualquer movimento relacionado a fusão e aquisição certamente será submetido a uma avaliação muito criteriosa”, afirma.

A própria recuperação judicial não pode ser esquecida, o que amplia os envolvidos nessa análise, lembra Morais. “Não podemos esquecer do contexto que ainda envolve a Oi e se essa operação contribuiu para o soerguimento econômico financeiro da empresa. Mas também pode ser questionado por outras autoridades, a começar pelo juízo da recuperação judicial.”

E há implicações que afetam diretamente a política pública em vigor. Afinal, segue valendo o Decreto 9.619/18, que trata das metas de universalização das concessionárias do STFC. Embora voltado à concessão de telefonia fixa, o Decreto estipula metas de cobertura com telefonia móvel, inclusive 4G. “Outra complexidade que traz essa análise é a própria existência de um PGMU que tem questionamentos jurídicos, econômicos e técnicos”, completa o presidente da Anatel. A seguir, a entrevista completa com Leonardo Morais: 

Qual a avaliação da Anatel sobre a proposta de compra da Oi Móvel? 

Ainda não temos um pedido de anuência, não temos caso concreto a ser analisado. Dito isso, qualquer movimento relacionado a fusão e aquisição certamente será submetido a uma avaliação muito criteriosa e zelosa, afinal de contas a competição é um atributo muito caro para o órgão regulador. 

Muitas pessoas perguntam se existe um número mágico [de competidores]. É preciso compreender que a competição não está atrelada ao número de competidores. Posso ter 10, 20 competidores, mas se um deles tiver 90% do mercado isso não se traduz em rivalidade. E a Anatel conseguiu promover essa rivalidade ao longo dos anos. 

O mercado brasileiro tem um dos maiores graus de competição e queremos que isso seja mantido. Por isso há a preocupação de que uma conformação de mercado possa levar, seja no curto, médio ou longo prazo, a um duopólio. Porque isso não favoreceria a diversidade de ofertas nem a rivalidade existente hoje. 

Caso seja formalizada essa operação, vai passar por uma analise bastante criteriosa, não apenas relacionado a ‘cap’ de espectro. Hoje a regulamentação estabelece que na faixa até 1 GHz um limite de até 30% do total disponível, podendo chegar a 40% com condicionamentos impostos pela agência. E entre 1 e 3GHz, vocacionado para capacidade, 35% a 40%, também mediante condicionamentos. E a partir de 3 GHz não há cap. 

Vamos olhar isso. É preciso entender que o mercado brasileiro é bastante distinto do ponto de vista geográfico, que a concentração varia, e essa análise precisa garantir o atributo competição não apenas no contexto nacional, mas que também observe as particularidades regionais. 

O negócio pode afetar o edital do 5G? 

Nenhum M&A poderia afetar o timing ou os contornos do edital 5G. E um edital é uma oportunidade ímpar para fazer valer políticas públicas. E o 5G é um catalisador de novas tecnologias, que importará ganhos de produtividade. Portanto não há como sustentar que o edital fique subordinado ou condicionado a uma operação de M&A. Agora, independentemente ainda é possível mudar os contornos do edital porque há uma consulta pública em andamento, uma oportunidade para ser aprimorado com sugestões da sociedade. 

A operação afeta a análise sobre a sustentabilidade da Oi? 

A leitura do mercado, que não será necessariamente da Anatel, é que a empresa tem como diferencial a capilaridade de sua rede. E que com aprimoramentos ópticos ou troca de cobre por fibra, potencializaria essa vantagem comparativa. A empresa seria mais focada em fibra, como diz o próprio plano estratégico divulgado pela Oi. Nesse sentido ela focaria o mercado de atacado, em fibra para o varejo e no mercado B2B. 

Não podemos esquecer do contexto que ainda envolve a Oi e se essa operação contribuiu para o soerguimento econômico financeiro da empresa. Isso pode também ser avaliado pela agência, mas não significa que a agência ditará os contornos do mercado. Mas também pode ser questionado por outras autoridades que acompanham esse processo, a começar pela principal delas que é o juízo da recuperação judicial. Portanto caso essa M&A seja apresentada, tem vários contornos a serem analisados. 

É realista que uma operadora se mantenha relevante sem operação móvel, seja pela demanda de mercado ou quando o até o PGMU tem obrigações de 4G? 

O mercado pode encontrar soluções e não cabe ao regulador dizer ao mercado o que é realista ou não. Tudo depende da orientação, da vocação da empresa. Vamos cumprir com nossas competências. É um processo complexo que não passa apenas pela Anatel, mas também pelo Cade. E evidentemente a Anatel não se furtará a prover o Cade com todos os insumos para uma decisão do órgão antitruste. 

Já tivemos muitas discussões sobre ser possível uma empresa regional sobreviver em um setor altamente intensivo em capital, e vários exemplos demonstram que sim. Se é possível ter empresas não verticalmente integradas, e temos empresas assim no mercado. Então o mercado acha suas soluções para viabilizar uma proposta. O que a gente tem que se preocupar é em garantir competição, garantir a continuidade dos serviços. 

Outra complexidade que traz essa análise é a própria existência de um PGMU, que ao meu ver tem questionamentos jurídicos, econômicos e técnicos. Jurídicos porque extrapola o objeto material da concessão. Técnicos porque a maior demanda, a maior necessidade, é de rede de transporte, não de acesso. E do ponto de vista econômico por razões que a área técnica [da Anatel] já enviou ao ministério [MCTIC], uma vez que os cálculos não consideraram o Opex de forma adequada, apenas o Capex. 

Hoje, independentemente do M&A já existem questionamentos de toda ordem sobre essa política pública. E a Anatel precisa garantir a implementação da política pública. Não quero dizer que é impossível, através de condicionamentos por exemplo, mas vamos precisar entender como a política pública se mantém na medida que a empresa não tem direito de uso de espectro, por exemplo. 


Internet Móvel 3G 4G
TikTok e WeChat decidem enfrentar o governo de Donald Trump

Empresas afirmam que vão usar todos os recursos disponíveis para garantir o Estado de Direito. O governo Trump proibiu o uso dos aplicativos chineses. Medida entra em vigor em 45 dias.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G