SEGURANÇA

Criptografia: "não há como ter uma porta para os bonzinhos e outra para os maus"

Ana Paula Lobo ... 27/02/2020 ... Convergência Digital

Para a gerente do CERT.br, Cristine Hoepers, é surreal discutir criptografia fraca ou forte, ou de tentar definir se um aplicativo deve ter menos ou mais criptografia. "Quebrar a criptografia é assumir que todos serão puros na humanidade daqui para frente e que ninguém fará mais nada de errado na terra", disparou a especialista.

Cristine Hoepers foi uma das participantes de debate sobre privacidade na era digital, em evento para comemorar o dia da Internet Segura, realizado no dia 11 de fevereiro. Participaram ainda Danilo Doneda, especialista em LGPD, Diego Canavarro, da Internet Society e Pablo Bello, VP do Facebook na América Latina. A gerente do CERT.br lamentou o fato de, hoje, no debate da privacidade, quebrar a criptografia tenha virado um 'consenso' para resolver questões de segurança pública e pessoal.

"Não há uma porta para os bons e outra para os maus. É impossível criar um mecanismo para quebrar criptografia dos bonzinhos para evitar os maus. E temos de lembrar que os direitos fundamentais da expressão estão vinculados à privacidade", observou o VP do Facebook, Pablo Bello, bastante cobrado por conta da privacidade do WhatsApp. "O WhatsApp não é uma rede social. Ele é uma plataforma de comunicação privada onde preservar o sigilo é o objetivo, especialmente nos países onde a democracia não está consolidada", acrescentou.

Diego Canavarro, da Internet Society, lembrou que trocar a criptografia por chaves-mestra não assegura 100% de proteção. "O El Chapo, maior narcotraficante do México, só caiu porque o seu Czar da TI entregou as chaves-mestra de todo o grupo criminoso para o governo dos Estados Unidos. A verdade é que não há um ator público ou privado que assegure a proteção integral da chave-mestra. É possível quebrar indo na 25 de março (rua popular de São Paulo)", lembra. Para Canavarro, a economia digital exige que se abra o escopo do debate sobre o uso da criptografia e que o ideal seria estreitar a comunicação com o Estado, guardião de dados confidenciais do brasileiro.

O professor, especialista em privacidade e proteção de dados e advogado, Danilo Doneda,  reforçou a tese ao pontuar que a criptografia é uma grande aliada da regulação quando se trata da proteção de dados e da implantação da Lei Geral de Proteção de Dados, com vigência prevista para agosto. "É fato dizer que sem segurança, não há privacidade e sem privacidade não há por que pensar em segurança. A criptografia é ferramenta para assegurar a privacidade e a segurança desejada", completou.



Ministério Público lança cartilha sobre golpes no WhatsApp

Documento reúne orientações como evitar o compartilhameento de códigos enviados por SMS ou habilitação do sistema de verificação em duas etapas. 

Brasil é terceiro país do mundo com mais ataques a maquininhas de cartão

Número de ocorrências em dispositivos PoS cresceu mais de 350% nos seis primeiros meses do ano. Em junho, só os Estados Unidos e a Turquia registraram mais invasões. 

Zoom é isca em 99% dos ataques com ferramentas de ensino online

Segundo levantamento das empresas de segurança Kaspersky, em todo o mundo invasões desse tipo cresceram 20.000%. Brasil é o quinto país mais atacado. 

Ataques de phising crescem 600% na AL. Netflix é o alvo dos hackers

Campanha em nome da OTT se distribui por meio de um e-mail com o assunto "Alerta de notificação". A mensagem informa sobre uma suposta dívida acumulada em nome da vítima que pode levar à suspensão do serviço caso não sejam tomadas medidas rápidas.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G