INTERNET

Assespro: Os fins não justificam os meios para acesso a dados no exterior

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/02/2020 ... Convergência Digital

Ao insistir no Supremo Tribunal Federal que as cortes brasileiras utilizem o Tratado de Assistência Mútua Legal firmado com os Estados Unidos, mais conhecido pela sigla MLAT, para requisitarem dados armazenados fora do Brasil, a Assespro Nacional ressaltou durante audiência pública nesta segunda, 10/2, que há juízes que praticam uma forma de chantagem local para pressionar as matrizes. 

“Decretam-se constrições severas, chega-se às vezes à decretação da prisão de dirigentes da empresa brasileira afiliada à empresa internacional detentora dos dados. E se faz isso em nome do interesse na celeridade do processo penal, mas com total e comovente abstração do conjunto da ordem jurídica”, afirmou o ex-ministro do Supremo Francisco Rezek. “Quero evitar a palavra chantagem, mas a filosofia da coisa é mais ou menos a mesma.”

Segundo Rezek, que defendeu a tese da Assespro juntamente com o também ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto, o pedido da entidade “é uma ação quase surreal. A parte proponente pede que o Supremo Tribunal Federal declare constitucionalidade de algo cuja constitucionalidade jamais se discutiu”.

“É claro que a legislação brasileira é aplicável. Mas isso não significa que os mecanismos de ação executiva do Brasil possam se estender além de nossas fronteiras. Os entusiastas do discurso da soberania se esquecem que não estamos sozinhos no planeta e que ao lado da nossa soberania existem outras 192 no planeta”, insistiu Rezek. “Os fins não justificam os meios.”

Segundo afirmou, as partes contrárias ao pedido “desejam convalidar comportamento de alguns juízes que fustigam a empresa brasileira afiliada à empresa norte-americana como se acreditassem realmente que a empresa brasileira detém esses dados e não os fornece por má vontade, por obstinação, quando isso é evidentemente falso. Não há aí nada parecido com uma insubordinação voluntária ou caprichosa. Os dados não estão aqui.”


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

Convenções partidárias para Eleições 2020 podem ser feitas por videoconferência

TSE decidiu que os partidos têm autonomia para utilizarem as ferramentas tecnológicas que entenderem mais adequadas para suas convenções.

Latinos desconfiam de censura em dados sobre a Covid-19

No Brasil, 47% acreditam em controle nas mídias e redes sociais. Abaixo de Espanha (54%), México (59%) e Colômbia (61%). Aqui, a TV teve a preferência para acesso à informação. Nas redes sociais, o Facebook e o WhatsApp empataram com 34%.

STF: Fachin diz que bloqueio do WhatsApp passa pela Autoridade de Dados

Assim como Rosa Weber, que relata a ADI 5527, Edson Fachin defendeu o direito ao uso da criptografia. Julgamento foi suspenso.

MP de Brasília abre inquérito para apurar venda de dados pessoais

Empresa na mira do Ministério Público do Distrito Federal e Territorios (MPDFT) é a Procob S.A. De acordo com a denúncia, essa empresa comercializa relatórios contendo informações como endereço, telefones, e-mails e outros.

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G