Home - Convergência Digital

Fechar a porta à Huawei no 5G vai custar US$ 21,9 bilhões ao PIB dos EUA até 2035

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 07/02/2020

Restringir a participação de um fornecedor-chave de infraestrutura na construção da rede 5G de um país aumentaria de 8% a 29% os custos totais do investimento que seria feito na próxima década, além de impactar em atrasos na implantação da tecnologia. É o que afirma um estudo da Oxford Economics, empresa  especializada em análises quantitativas, e encomendado pela Huawei. Segundo o relatório, isso também resultaria em milhões de pessoas sem cobertura 5G até 2023.

O 5G tem o potencial de reduzir custos e desbloquear novos fluxos de renda em todos os setores da indústria, melhorando os níveis de produtividade em toda economia global e gerando oportunidades para países que facilitam sua oferta generalizada. Portanto, restringir um participante da licitação de contratos levará a preços mais altos e atrasos na distribuição, resultando em uma difusão mais lenta da inovação tecnológica associada.

O relatório global da Oxford Economics é a primeira quantificação sistemática da escala potencial desses efeitos e avalia o custo econômico da restrição da concorrência em oito mercados: Austrália, Canadá, França, Alemanha, Índia, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, considerando três cenários de desenvolvimento e aplicação do 5G.

Um atraso na implantação do 5G também resultaria em inovação tecnológica mais lenta e menor crescimento econômico. Em um cenário de médio impacto, isso resultaria em reduções do PIB nacional até 2035 que variam de US$ 2,8 bilhões na Austrália a US$ 21,9 bilhões nos EUA. Na Alemanha, o impacto ficaria entre US$ 2,4 bilhões a US$ 13,8 bilhões.

Na Índia, o impacto poderia chegar a US$ 27,8 bilhões. Nos oito países analisados, o estudo indica que o PIB per capita seria US$ 100 menor por pessoa, em média, até 2035, em comparação com um cenário em que não há essa restrição na provisão de infraestrutura 5G.

O Brasil ficou  de fora do estudo porque até o momento - mesmo com o Governo Bolsonaro alinhado ao governo dos EUA- não houve qualquer restrição a atuação da Huawei como fornecedora das operadoras de telecomunicações no 5G. É importante lembrar que a Huawei não pode participar diretamente do leilão 5G, mas há uma expectativa - mesmo que bastante reduzida - que novos players, entre eles, a China Telecom - possam se interessar em participar do certame - que pode acontecer ainda em 2020, se virar estratégico ou em 2021.

O estudo na íntegra pode ser acessado pelo site: https://resources.oxfordeconomics.com/hubfs/Huawei_5G_2019_report_V10.pdf

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/03/2020
Coronavírus: Anatel suspende testes de campo do 5G na faixa de 3,5GHz

27/03/2020
GSI: Anatel deve ajustar norma de cibersegurança aos casos específicos do 5G

27/03/2020
Anatel prorroga consulta pública do edital 5G por 15 dias

27/03/2020
GSI impõe combinação entre operadoras na instalação de redes do 5G

25/03/2020
Coronavírus faz EUA adiar leilão do 5G

23/03/2020
Japão promete 5G para março, mesmo com o COVID-19

17/03/2020
China concentra 70% das conexões 5G do planeta

13/03/2020
Anatel avalia outorgas do 5G à banda larga fixa, não só telefonia móvel

12/03/2020
Empresas ainda temem impacto dos custos da interferência do 5G nas parabólicas

12/03/2020
Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Destaques
Destaques

Bloqueio de celular pirata não impediu disparada de 344% no mercado cinza

Segundo dados da IDC Brasil, o resultado de 2019 indica que o aperto no bolso dos brasileiros foi maior que o da fiscalização. Entre os modelos mais baratos, no entanto, o mercado “paralelo” caiu. 

5G vai movimentar mais de R$ 5 trilhões até 2025

Segundo estimativas da GSMA, 80% desse valor será concentrado no investimento nas redes de nova geração. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site