Clicky

Anatel diz que Lei do Seac não vale para estrangeiros e deixa AT&T ficar com SKY

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/02/2020 ... Convergência Digital

A mesma agência que pediu ao Congresso Nacional mudanças na Lei da TV paga (Lei do Seac, 12.485/11) para que ela permita maior participação de atores estrangeiros, aprovou nesta quinta, 6/2, uma interpretação pela qual as restrições nela previstas podem ser ignoradas. Essencialmente, de que a Lei do Seac não vale para empresas que não têm sede no Brasil. Bom para a AT&T, que não vai precisar vender a Sky, a segunda maior operadora de TV paga do país, com cerca de 30% do mercado.

Não chegou a ser uma surpresa profunda. Desde o primeiro voto nesse processo pelo menos parte da agência já sinalizava com a interpretação de que a proibição de controle cruzado entre programadoras e distribuidoras, expressa na Lei do Seac, não vale para empresas que não têm sede no Brasil. 

“Qualquer restrição teria que estar expressa na lei, o que não se verifica para programadoras estrangeiras. A vedação à propriedade cruzada é adstrita a empresas com sede no Brasil”, anotou o conselheiro Moisés Moreira, autor do terceiro e definitivo voto sobre o caso, garantindo maioria para essa tese, inicialmente defendida por Vicente Aquino, com adesão imediata do agora ex-conselheiro Aníbal Diniz.

Para acomodar tal interpretação, a maioria o Conselho Diretor da agência descartou os argumentos tanto da área técnica como da Procuradoria Federal Especializada (a AGU na Anatel), visto que elas avaliaram ser permitida a atuação das programadoras estrangeiras no Brasil, desde que sujeitas às leis e ao foro brasileiro quanto aos atos ou operações com efeitos no país. 

Nessas análises, a vedação de controle cruzado entre produtores e distribuidores de conteúdo audiovisual, prevista no artigo 5o, proíbe a AT&T de deter, simultaneamente, produtoras como HBO, TNT, Cartoon, etc, que fazem parte da Time Warner, e manter a distribuidora Sky no Brasil. 

Por isso mesmo, a decisão não foi unânime. Leonardo Morais e Emmanoel Campelo foram contra. “Não me sinto confortável com essa interpretação em obediência ao principio da legalidade. A lei é clara e expressa com relação à proibição. Da mesma forma, pelo principio da isonomia. No extremo, criamos uma situação favorável para empresa estrangeira e desfavorável a empresa nacional. E duvido muito que essa tenha sido a intenção do legislador. Entendo que a interpretação permissiva gera vício de inconstitucionalidade. Vai causar judicialização e insegurança jurídica”, afirmou Campelo.

O espanto, se houver, se deve mesmo pelo fato de a própria Anatel ter feito apelos ao Congresso Nacional por mudanças na Lei do Seac, exatamente no ponto relevante à atual decisão, o artigo 5º da Lei 12.485/11, aquele que veda controle cruzado. Como expôs a Anatel em documento ao Senado Federal “tal vedação hoje cria condições de tratamento não isonômico entre as empresas e obstaculiza o surgimento de novos modelos de negócio e a inovação no setor, em prejuízo aos consumidores dos serviços”. O pedido ecoou a ponto de ganhar um projeto de lei, 3832/19, ainda em tramitação. 


Internet Móvel 3G 4G
Teste na Europa registra 1Gb de velocidade em ondas milimétricas 5G

Telecom Italia, Ericsson e Qualcomm realizaram um piloto em Roma, na Itália, em mmWave 5G em 26GHz, e anunciaram ter conseguido taxas de 1GB/s no downlink e 700 Mb/s no uplink. Novo teste será feito, agora, na cidade de Front, em Torino, também na Itália.

Oi é única a crescer na TV paga, mercado que encolhe há seis anos sem reagir

No acumulado de janeiro a outubro de 2020, já se foram mais 660 mil acessos perdidos no segmento – e quase 5 milhões desde o pico, em 2014. 

Anatel encerra ciclo de TACs em acordo fraco com Algar

Depois de fracassar na troca de multas por investimentos com Oi, Vivo e Claro, agência contabilizou sucesso somente com a TIM e permitiu à Algar cortar mais da metade do acerto inicialmente firmado. 

Anatel renova faixa de 850 MHz para Vivo, mas nega pedido de redução de preço

Empresa renovou apelo ao regulador para que fosse aplicada a regra do preço público ou ônus de 2%, ambos abaixo do valor de mercado.

STF julga inconstitucionais leis de BA e RJ sobre créditos pré pagos e cobrança de serviços

Mais uma vez, Supremo ressaltou que, ainda que importantes ações em defesa dos consumidores, normas estaduais não podem invadir a competência privativa da União de legislar sobre telecomunicações. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G