Home - Convergência Digital

Faltam profissionais para cuidar dos ataques cibernéticos no Brasil

Convergência Digital - 06/02/2020

O governo admite na Estratégia Nacional de Segurança da Informação, a e-ciber, publicada nesta quinta-feira, 06/02, no Diário Oficial da Uniao, que o Brasil possui poucos profissionais especializados em segurança cibernética e que há uma baixa conscientização dos usuários da Internet com relação ao tema. Para o governo, é urgente criar um programa nacional destinado à formação técnica nos órgaos do governo e nas empresas privadas.

A e-ciber sustenta que "urge a necessidade de um programa de capacitação de abrangência nacional destinado à formação técnica e ao aprimoramento de recursos humanos com vistas a fortalecer a segurança cibernética nos órgãos de governo e nas empresas privadas. Nesse contexto, as instituições públicas devem buscar a articulação e o fortalecimento na área de segurança cibernética, por meio de ações colaborativas e de parcerias com o setor privado, com a academia e com o terceiro setor, no País e no exterior, para estimular o contínuo desenvolvimento de massa crítica e de talentos. Visualiza-se como uma das alternativas possíveis, a disponibilização de treinamentos gratuitos em segurança cibernética em plataformas virtuais de governo."

Ainda conforme o governo, "o investimento em capacitação de profissionais de segurança - gestores, analistas e mesmo operadores - objetiva a adoção não apenas de uma atitude preventiva ou reativa diante de ameaças e de incidentes cibernéticos, mas também de uma atitude consultiva, o que resultará em maior confiança por parte das áreas finalísticas de suas instituições, e em menor resistência, em caso de recomendações." Há ainda o alerta que, em geral, as equipes de segurança enfrentam uma disparidade entre a disponibilidade de mão de obra qualificada e a sofisticação das ameaças, sendo de suma importância o investimento na capacitação de profissionais para que possam, de modo eficaz, enfrentar os desafios.

A e-ciber estudo divulgado pela Brasscom - Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, no qual o mercado de tecnologia no Brasil precisará de aproximadamente 70 mil profissionais ao ano até 2024, número que poderá representar um déficit de 260 mil pessoas qualificadas no período. A Estratégia Nacional de Segurança da Informação foi publicada no Diário Oficial da União.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/06/2020
Ataques aumentam, mas gastos com cibersegurança caem por conta da Covid-19

26/06/2020
Agora Telecom investe R$ 5,3 milhões e compra FIT Network por videomonitoramento

11/06/2020
Microsoft faz megacorreção de vulnerabilidades de segurança

09/06/2020
Ataque hacker para produção da Honda no Brasil

03/06/2020
Quatro em 10 brasileiros compartilham dados para obter benefícios e descontos

18/05/2020
Farmácias sofrem aumento de 60% em tentativas de fraude online

07/05/2020
Afetada por vazamentos de dados, Zoom compra empresa de criptografia

17/04/2020
Coronavírus: Phishings personalizados cresceram 667% com trabalho remoto

15/04/2020
Internet das Coisas: Quase 30% das empresas sofreram incidentes de segurança

13/04/2020
Telebras abre edital para contratar solução contra ataques à rede

Ciência de dados: a profissão do agora e do futuro

Em alta, o profissional cientista de dados é buscado em áreas como medicina, varejo, bancos, telecom, entre outros. Um bom especialista tem formação multidisciplinar e visão holística do negócio.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

Teletrabalho: medo de perder emprego cria obrigação de ficar 100% online

Pesquisa do LinkedIn aponta que 68% dos brasileiros têm trabalhado de uma a quatro horas a mais por dia por conta de estarem em home office. Maior parte reclama de ansiedade e estresse. Maioria também reclama da ausência dos colegas de trabalho, mas 43% se sentem mais produtivos com o trabalho remoto.

TST suspende demissões na Dataprev enquanto durar crise da Covid-19

Trabalhadores alegaram que os prazos acordados no fim da greve não terão como ser integralmente cumpridos diante da situação emergencial com a epidemia do coronavírus. 

TST: Teletrabalho tem de respeitar os contratos vigentes

Corte aponta, no entanto, que em situações emergenciais, como a atual crise da Covid-19, a adoção da jornada online temporária prescinde formalização, mas deve respeitar leis trabalhistas. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site