GESTÃO

TCU: Telebras no Orçamento antes de fechar capital dá prejuízo e rende processo

Luís Osvaldo Grossmann ... 31/01/2020 ... Convergência Digital

Ao incluir a Telebras no Orçamento de 2020, e com isso caracterizar aa estatal como dependente antes do fechamento de capital da empresa que tem ações na Bolsa, o governo federal corre o risco de provocar prejuízo, além de abrir espaço para ações judiciais, a começar pelos acionistas minoritários. 

É o que indica o Tribunal de Contas da União ao responder consulta feita pelo Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações sobre os efeitos da transformação da empresa como estatal dependente – ou seja, que depende de recursos da União para custeio. 

Como a consulta não trata do caso específico – embora só exista uma situação dessas em curso, justamente da Telebras – o TCU aborda o tema “em tese”. De pronto, ressalta a Corte de Contas que o próprio ineditismo da situação merece cautela e, de preferência, que o Poder Público discipline o assunto primeiro. 

“Não existem normas legais ou infralegais estabelecendo quais os procedimentos apropriados para inclusão de uma empresa estatal, que passou a ser dependente do Tesouro Nacional, mas possui ações na bolsa de valores, no orçamento fiscal e da seguridade social. Assim, tem-se um comando normativo impositivo, no sentido de que, identificada a dependência, cabe ao administrador público aplicá-lo. Contudo, a mesma norma que exige uma ação positiva do gestor não especifica a forma de execução do comando, deixando o administrador sem suporte normativo que indique o caminho a ser seguido.”

Não por menos, conclui o TCU, no Acórdão 89/2020, que “considerando o dever de evitar dano ao erário, é permitido um juízo de conveniência e oportunidade para o fim de que tal transformação, se imperativa, seja feita observando requisitos de cautela próprios e dentro de um cronograma seguro, de forma a minimizar os impactos para a União, para a própria entidade vinculada, para o interesse público e para garantir a segurança jurídica dos interesses dos acionistas minoritários”.

Aconselha o Tribunal que “a subsunção de uma estatal à situação prevista no art. 2º, inciso III, da LRF, não se presume automática e instantânea, sendo compreensível a necessidade de um prazo, aí definido como de um exercício financeiro para outro, para fins de configuração da hipótese jurídica”. Insiste o Acórdão que “a classificação de uma estatal como dependente é procedimento inédito, principalmente quando se trata de estatal que possui ações na bolsa de valores, devendo ser executada com o devido planejamento, em que sejam levantados os riscos envolvidos no caso concreto de cada empresa para, em seguida, incluí-la no orçamento fiscal e da seguridade social”.

Tendo em vista que a Telebras já foi incluída no Orçamento deste 2020, mesmo sendo ainda empresa com ações listadas em Bolsa, os sinais são de que a cautela e o cronograma seguro foram para as calendas. Com tal movimento, aponta o TCU, “evidencia-se a hipótese de que, caso a empresa permaneça com o capital aberto e seja dependente do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social, diversas anomalias administrativas poderão ocorrer: 

i) prejuízo financeiro à União, que não poderá tomar bens e recursos pertencentes aos acionistas privados para eventualmente ser ressarcida; 

ii) impossibilidade de uma empresa estatal dependente distribuir dividendos aos seus acionistas, mas estes terem assegurado, pela Lei 6.404/1976, o direito ao dividendo mínimo obrigatório, criando a hipótese de uma empresa estatal dependente ser compelida judicialmente a distribuir lucros subsidiados pela União, o que não ocorreria se tivesse mantido seu status de empresa estatal não dependente;

iii) a declaração de dependência implicaria na inclusão da empresa estatal nos sistemas estruturantes do governo, assim a execução orçamentária, financeira e patrimonial de responsabilidade exclusiva da União geraria variações na totalidade do patrimônio, inclusive nas partes dos acionistas minoritários; 

iv) tornar a empresa dependente antes de fechar o capital, traz o potencial risco de judicialização pelos acionistas minoritários a respeito de possível abuso de poder por parte da União (Lei 6.404/1976, art. 117, § 1º, ‘c’) , que poderão processar a companhia e a União em caso de perdas; 

v) também há inúmeras questões sobre a compatibilidade entre os critérios contábeis da CVM e dos sistemas estruturantes da Administração Pública Federal, que divergem nas formas de divulgação das demonstrações financeiras trimestrais, bem como quanto ao período de silêncio anterior a tais divulgações.”

Registre-se que o Ministério da Economia já vem pressionando a Telebras para fechar o capital. Só não quer saber de pagar essa conta. Como relatado pela própria estatal em comunicado à CVM, em que pese as consultas feitas, a União não respondeu se aceita bancar os estimados R$ 5,5 bilhões para recolher as 49 milhões da ações da empresa na Bolsa. A empresa também já avisou que não tem esse dinheiro


Carreira
Ministério da Economia vai contratar 350 temporários para transformação digital. Assespro diz que medida é nociva

Seleção simplificada mira especialistas em gestão de projetos, infraestrutura de TI, segurança de dados, experiência do usuário e desenvolvimento de software. Federação Assespro reclama da falta de parceria do governo com as empresas.

Receita simplifica certificado digital online para pessoa jurídica

Segundo o Fisco, empreendedores não precisarão se deslocar a estabelecimentos físicos para obter um e-CNPJ junto à Autoridade Certificadora.

Governo recria Conselho Nacional do Consumidor e inclui Anatel

Decreto cria órgão com 15 integrantes, sendo quatro das agências de telecomunicações, aviação civil, energia e petróleo. 

Covid-19 acelerou digitalização de 200 serviços públicos

Segundo a Secretaria de Governo Digital, em 18 meses já são 800 serviços acessíveis totalmente de forma digital. 

Petrobras adota satélite de baixa órbita para reduzir tempo de transmissão de dados

Estatal contratou satélites de órbita média terrestre para reduzir em 75% a transmissão de dados. Tecnologia vai ser usada em outras oito plataformas da Petrobras, instaladas nos campos de Búzios, Lula, Berbigão e Atapu.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G