GOVERNO

BNDES prevê venda do Serpro e da Dataprev para junho de 2021.Telebras fica para julho

Ana Paula Lobo* ... 30/01/2020 ... Convergência Digital

Uma articulação fortalece a política de privatização do governo Bolsonoro. Em evento para investidores, realizado esta semana, em São Paulo, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, apresentou um calendário desenhado pelo BNDES - que será o responsável direto pelas vendas das estatais - com as privatizações previstas até 2022.

Nele está previsto que as privatizações do Serpro e da Dataprev aconteçam em junho de 2021. A Telebras ficaria para julho de 2021. A CEITEC para fevereiro de 2021. Até lá, aconteceriam as rodadas de negociações com os interessados. A estratégia de privatização ganha escala com um episódio político que acirra a disputa entre a Casa Civil e o Ministério da Economia.

Impulsionado pela repercussão negativa do uso de avião da FAB pelo ex-secretário-executivo da Casa Civil, Vicente Santini para acompanhar as viagens do presidente ao Fórum Mundial, em Davos, e a Índia nas férias do ministro Onyx Lorenzoni, o presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira,30/01, pelas redes sociais, que o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) deixou a Casa Civil e será coordenado pelo Ministério da Economia.

Isso significa que a venda de empresas como Serpro, Dataprev, Telebras, CEITEC e Correios está, agora, sob o crivo direto da equipe do ministro Paulo Guedes e do secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar. 

Das estatais de TICs colocadas à venda, a Dataprev é a única que está tendo uma resistência dos seus servidores, que deflagraram uma greve nacional contra a demissão de quase 500 funcionários e do fechamento de 20 escritórios da estatal no País.

*Com informações de agências de notícias


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Coronavírus: Senado faz primeira votação a distância da história

Os senadores votaram de suas casas onde cumprem quarentena por causa do Covid-19 e aprovaram a decretação do estado de calamidade pública como forma de combate ao Covid-19.

Telebras projeta receita bruta de R$ 383,64 milhões em 2020

Na lista de venda do governo Bolsonaro, a estatal diz que o montante é uma mera previsão, uma vez que não há garantia de desempenho futuro. Em 2018, a receita líquida da Telebras ficou em R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017.

Relatora da nova lei das teles assume presidência da CCT no Senado

Daniella Ribeiro (PP-PB), que manteve sem alterações o projeto que se tornou a Lei 13.879/19, foi indicada pelo partido depois que o atual presidente da comissão, Vanderlan Cardoso, migrou para o PSD. "Depois do PLC 79, o que vier está fácil", disse a nova presidente. 5G está na pauta dos debates.

PGR: Há razão legal para STF julgar privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

A Procuradoria Geral da República, em parecer dado para a ação do PDT contra a privatização das estatais de TI, admite que a inclusão delas no Plano Nacional de desestatização abre procedente para julgamento na Suprema Corte.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G