TELECOM

Oi reitera à CVM intenção de vender torres e ativos não estratégicos

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/01/2020 ... Convergência Digital

A Oi encaminhou nesta terça, 28/1, um ofício à Comissão de Valores Mobiliários em atendimento a questionamentos relativos a notícias de que pretende se desfazer de ativos, notadamente “entre 500 e 1 mil torres”, como já explicara a direção da operadora.  

Informes recentes dão conta de que a Oi deseja vender “pelo menos 700 tores, o que renderia aproximadamente R$ 700 milhões”, até o final do primeiro trimestre deste 2020. 

Segundo o comunicado ao mercado, “tal como já amplamente divulgado pela Oi em diversas oportunidades, a Administração da Companhia tem concentrado esforços no processo de geração de liquidez de curto prazo mediante a venda de ativos non-core, dentre eles torres, em linha com o previsto no seu Plano de Recuperação Judicial e no seu Plano Estratégico, ambos arquivados junto à CVM e já largamente difundidos pela Companhia”.

Conclui a operadora que “nesse sentido, a Oi esclarece que as informações específicas de que trata a notícia em referência constam de forma detalhada do seu Plano Estratégico, tendo sido abordadas também quando da divulgação do resultado do terceiro trimestre de 2019, além de diversas outras ocasiões”. 

Na semana passada, a Oi comunicou sucesso na venda da participação de 25% que detinha na operadora angolana Unitel, por US$ 1 bilhão. Também prevista nos planos já anteriormente anunciados pela empresa. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Dataprev contrata Claro por R$ 236 mil para ter fibra ótica no Rio de Janeiro

Contrato, publicado no Diário Oficial da União, prevê a interligação dos prédios do data center da estatal de TI no Rio de Janeiro à filial na mesma cidade, no bairro de Botafogo.

Autor da nova Lei das teles lidera entidade para brigar por banda larga

Ex-deputado Daniel Vilela vai presidir a Aliança Conecta Brasil F4, que nasce com apoio da Huawei, FiberX e da consultoria Teleco, mas quer novos associados. “Não existe economia digital sem infraestrutura”, afirma.

Consumidores: Banda larga é o serviço com menor satisfação, celular o melhor

Para a Anatel, como o padrão de consumo exige estar sempre online, percepção de qualidade é especialmente rigorosa com a conexão à internet.

Decreto da nova Lei de Telecom depende de acerto sobre renovação de frequências

“Entendemos que é melhor que a Lei também seja aplicada para os contratos vigentes e estamos tentando construir uma posição única de governo”, explica o secretário executivo do MCTIC, Julio Semeghini. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G