GOVERNO

Sem dinheiro, Telebras desiste de comprar capacidade em cabo submarino

Ana Paula Lobo* ... 06/01/2020 ... Convergência Digital

Sem dinheiro e mais uma vez marcando posição contrária ao fato de ter se tornado uma 'estatal dependente da União, apesar de todos os esforços despendidos para reverter a situação", a Telebras comunicou ao mercado a decisão de rescindir, de forma amigável, o contrato firmado em janeiro de 2019 com a Ellalink Ireland para conectar, via cabo submarino, o Brasil a Europa.

"Dentre outros motivos, a razão para o envio da carta está consolidada no fato de que não foram  apresentadas as garantias contratuais acordadas e necessárias ao pagamento das contra prestações assumidas pela Telebras ainda em 2019. Com isso, as partes iniciaram tratativas para postergar o cumprimento de suas obrigações para 2020", aponta o fato relevante encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários no dia 26 de dezembro.

Como a situação financeira da Telebras piorou - e a estatal passará a integrar o Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) este ano com status de empresa dependente - e como não há uma rubrica orçamentária do governo federal para viabilizar o negócio, a Telebras informa que o melhor a fazer é rescindir amigavelmente o contrato.

Agora, reporta ainda a estatal, "aguarda-se o posicionamento da Ellakink Ireland com relação à proposta". O fato relevante foi assinado pelo presidente e diretor de Relações com Investidores, Waldemar Ortunho Junior. A falta de dinheiro na Telebras é recorrente.

Em outubro de 2018, no governo Temer, e como André Borges à frente do MCTIC, a estatal  informava a decisão de não mais investir, como acionista, na construção de um novo cabo submarino que ligaria Brasil e Europa, exatamente o projeto da Ellalink Ireland. A estatal decidiu ser compradora de capacidade, a partir da ativação da ligação, prevista para o começo deste ano de 2020. Mas o dinheiro acabou tanto para ser acionista, como para comprar capacidade.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Coronavírus: Senado faz primeira votação a distância da história

Os senadores votaram de suas casas onde cumprem quarentena por causa do Covid-19 e aprovaram a decretação do estado de calamidade pública como forma de combate ao Covid-19.

Telebras projeta receita bruta de R$ 383,64 milhões em 2020

Na lista de venda do governo Bolsonaro, a estatal diz que o montante é uma mera previsão, uma vez que não há garantia de desempenho futuro. Em 2018, a receita líquida da Telebras ficou em R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017.

Relatora da nova lei das teles assume presidência da CCT no Senado

Daniella Ribeiro (PP-PB), que manteve sem alterações o projeto que se tornou a Lei 13.879/19, foi indicada pelo partido depois que o atual presidente da comissão, Vanderlan Cardoso, migrou para o PSD. "Depois do PLC 79, o que vier está fácil", disse a nova presidente. 5G está na pauta dos debates.

PGR: Há razão legal para STF julgar privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

A Procuradoria Geral da República, em parecer dado para a ação do PDT contra a privatização das estatais de TI, admite que a inclusão delas no Plano Nacional de desestatização abre procedente para julgamento na Suprema Corte.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G