TELECOM

Dois novos satélites do Brasil serão lançados da China

Convergênca Digital ... 18/12/2019 ... Convergência Digital

Dois novos satélites brasileiros serão colocados em órbita na madrugada de sexta-feira, 20/12: o satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS-04A) e o cubesat FloripaSat-1. Os dois equipamentos serão lançados do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan (TSLC), na China, localizado na província de Shanxi, a 700 km do sudoeste de Pequim, por meio do veículo lançador Longa-Marcha 4B.

O CBERS-04A é o sexto satélite desenvolvido por meio de uma parceria entre Brasil e China que completou 31 anos em 2019. Coordenado pela Agência Espacial Brasileira e pela Administração Nacional Espacial da China, o programa CBERS tem como executores o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e a Academia Chinesa de Tecnologia Espacial. A montagem, integração e os testes do CBERS-04A foram totalmente realizados no Laboratório de Integração e Testes do INPE, em São José dos Campos (SP).

Com foco em sensoriamento remoto, o CBERS 04A levará a bordo duas câmeras brasileiras (MUX e WFI) e uma chinesa (WPM). A MUX (Câmera Multiespectral Regular) irá gerar imagens de 16 metros de resolução, com reprodução de imagem de um mesmo local a cada 31 dias. A WFI (Câmera de Campo Largo) possui resolução de 55 metros e revisita de 5 dias, enquanto a WPM (Câmera Multiespectral e Pancromática de Ampla Varredura), conta com resolução de 2 metros, em modo pancromático, e de 8 metros em RGB (Red-Green-Blue). As especificações do satélite sino-brasileiro são similares às dos programas de sensoriamento remoto orbital mais utilizados em todo o mundo, como Landsat (Estados Unidos), Resourcesat (Índia) e Copernicus (União Europeia). O CBERS-04A irá operar numa órbita sol-síncrona, recorrente e congelada.

As imagens do CBERS-04A são utilizadas em projetos nacionais estratégicos, como o Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia (Prodes), de avaliação do desflorestamento na Amazônia. Outro projeto que utiliza as imagens do satélite é o Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real (DETER), que avalia o desflorestamento em tempo real.

Já o pequeno cubesat de pesquisa e desenvolvimento tecnológico FloripaSat-1, com o formato de um cubo com 10 cm de lado, vai pegar carona no lançamento do CBERS-04A. Com vida útil estimada em aproximadamente dois anos, o cubesat é uma iniciativa de professores, estudantes de graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com apoio da Agência Espacial Brasileira (AEB), por meio do programa Uniespaço.

O pequeno satélite incorpora um módulo que permite que os radioamadores de todo o mundo se comuniquem diretamente com os satélites, em regiões remotas como florestas, desertos, oceanos ou em situações de catástrofes, como o rompimento da barragem de Brumadinho (MG), em que a comunicação não é interrompida e possibilita enviar e receber sinais de emergência.

Além disso, o cubesat tem por objetivo envolver estudantes em uma missão espacial completa, desenvolvendo todos os módulos de um nanosatélite e sua própria estação terrestre de comunicação.

* Com informações do MCTIC


Internet Móvel 3G 4G
Reino Unido contraria teles e confirma leilão 5G para janeiro de 2021

Ofcom, a Anatel do Reino Unido, não quis receber cerca de R$ 8 bilhões das teles, e manteve a oferta de 80 MHz em 700 MHz e 120 MHz entre 3,6 GHz e 3,8 GHz. Teles tentaram ficar com as frequências como 'compensação' à retirada dos equipamentos Huawei das suas redes.

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G