GOVERNO » Legislação

Banco Central quer abrir caixas eletrônicos às fintechs

Luis Osvaldo Grossmann ... 17/12/2019 ... Convergência Digital

O Banco Central quer forçar as instituições financeiras tradicionais a abrirem os caixas eletrônicos para os bancos online. Para isso propõe uma primeira alteração normativa, que inclui a modalidade de “saque e aporte” entre os arranjos de pagamento reconhecidos pela autoridade monetária – e, portanto, regulado. A proposta está em consulta pública até 14/2/2020.

“Os bancos digitais e as instituições de pagamento fazem extensivo uso dos canais de atendimento eletrônicos, mas dispõem de limitada presença física, o que prejudica os serviços de saque e de aporte nas contas que eles oferecem a seus clientes. Com a nova regulação, espera-se corrigir essa distorção, nivelar as condições concorrenciais entre agentes e aumentar a competição no Sistema Financeiro Nacional e no Sistema de Pagamentos Brasileiro”, sustenta a consulta pública. 

Segundo o diretor de organização do sistema financeiro e de resolução do BC, João Manoel Pinho de Mello, a falta ou a limitada interoperabilidade entre os arranjos fechados de saque e de aporte, a exemplo do que ocorre nas redes de ATMs proprietárias, somada à limitada capilaridade dos arranjos abertos, tornam o acesso a esses arranjos excludente. 

Com dados do Banco Mundial, o BC sustenta que o Brasil está entre a minoria dos países ao restringir acesso nos caixas eletrônicos. Uma pesquisa em 70 países indicou que 85% deles contam com total interoperabilidade nos ATMs. Além de fazer parte dos 15%, o Brasil é o único país da América Latina entre os excludentes. 

Como explicou o diretor de organização e resolução do BC, ao inserir os caixas eletrônicos no SPB, será possível exigir “acesso não diferenciado à infraestrutura”. “O objetivo final, sustentado pelas evidências, é que tenhamos interoperabilidade”, afirmou. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Coronavírus: Senado faz primeira votação a distância da história

Os senadores votaram de suas casas onde cumprem quarentena por causa do Covid-19 e aprovaram a decretação do estado de calamidade pública como forma de combate ao Covid-19.

Telebras projeta receita bruta de R$ 383,64 milhões em 2020

Na lista de venda do governo Bolsonaro, a estatal diz que o montante é uma mera previsão, uma vez que não há garantia de desempenho futuro. Em 2018, a receita líquida da Telebras ficou em R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017.

Relatora da nova lei das teles assume presidência da CCT no Senado

Daniella Ribeiro (PP-PB), que manteve sem alterações o projeto que se tornou a Lei 13.879/19, foi indicada pelo partido depois que o atual presidente da comissão, Vanderlan Cardoso, migrou para o PSD. "Depois do PLC 79, o que vier está fácil", disse a nova presidente. 5G está na pauta dos debates.

PGR: Há razão legal para STF julgar privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

A Procuradoria Geral da República, em parecer dado para a ação do PDT contra a privatização das estatais de TI, admite que a inclusão delas no Plano Nacional de desestatização abre procedente para julgamento na Suprema Corte.

MPF: Governo não precisa de consentimento para cruzamento de dados

Em ação do Instituto Nacional Anísio Teixeira (INEP) contrária a entrega de dados pessoais individualizados de estudantes ao TCU, Ministério Público alega que administração não precisa de autorização dos titulares mesmo no caso de dados sensíveis. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G