Home - Convergência Digital

Mastercard: teles não serão nossas concorrentes

Ana Paula Lobo - 16/12/2019

A entrada das operadoras de telefonia na oferta de serviços financeiros não assusta a Mastercard. Muito pelo contrário. "Quanto mais atores, melhor para nós. A Mastercard quer ser parceira desses atores. Nós queremos estar onde o pagamento estiver. Se as teles vão entrar, ótimo. Mais produtos serão desenhados e mais pagamentos serão feitos com as nossas tecnologias", observou o presidente da companhia, João Pedro Paro Neto, em encontro com jornalistas, em São Paulo. A Claro e a TIM já anunciaram a disposição de oferecer serviços financeiros a partir de 2020, especialmente, para quem não tem conta bancária tradicional.

A aposta no pagamento por aproximação é uma realidade. Somente no mês de novembro foram realizadas cerca de 13 milhões de transações do tipo contactless. Em janeiro, eram apenas 1,4 milhão de transações. A popularização do modelo é o desafio da cadeia de pagamentos. E quem ajuda nessa 'massificação' é o transporte público. Desde setembro, usuários de 12 linhas de ônibus da cidade de São Paulo já podem pagar a passagem do transporte com cartões de crédito, débito e pré-pagos da Mastercard e também Visa habilitados com a tecnologia por aproximação.

O objetivo, agora, é o de ampliar o projeto para outras cidades do País. No Rio de Janeiro, a Mastercard levou a tecnologia para o sistema de pagamento de trens na cidade. "É um potencial enorme para a indústria e teremos um grande avanço para o próximo ano", pontuou Paro Neto. Dados da Mastercard revelam que mais de 4900 cidades brasileiras já realizam transações por aproximação. A Mastercard apostta ainda que o mercado de cartões tenha um crescimento de 24%, chegando a R$ 2,3 trilhões movimentados.

Os pagamentos por aproximação podem ser feitos tanto com cartões de plástico dotados da tecnologia NFC quanto por meio de smartphones e wearable devices (relógios e pulseiras) com a mesma tecnologia e um app de carteira móvel, como Apple Pay, Google Pay ou Samsung Pay, por exemplo, associado a um cartão de crédito ou débito.





Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/08/2020
Meio de pagamento: Stone compra Linx por R$ 6,4 bilhões

07/08/2020
Banco como serviço faz Stefanini comprar Logbank

03/08/2020
CCR Barcas e Visa fazem piloto de pagamento por aproximação (NFC) nas barcas do Rio

03/08/2020
Banco Central: testes não implicam autorização para transação real pelo WhatsApp

30/07/2020
Meio de pagamento: Mercado Livre e PayPal integram serviços no Brasil

28/07/2020
Pagamento instantâneo será a 'aplicação matadora' do dinheiro vivo

16/07/2020
BC: 'Serviço de pagamento do WhatsApp tem de ser barato, aberto e seguro"

02/07/2020
BC: Pagamento pelo WhatsApp terá de provar proteção aos dados

30/06/2020
Cade revoga suspensão de parceria entre Facebook e Cielo para pagamentos por WhatsApp

22/05/2020
Banco Central: os cartões de crédito e débito vão morrer no pós-Covid-19

Destaques
Destaques

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site