TELECOM

Clima azeda no Conselho Diretor da Anatel e atropela agenda regulatória

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/12/2019 ... Convergência Digital

As reuniões do Conselho Diretor da Anatel já costumaram ser tão técnicas quanto enfadonhas. Não mais. O constrangimento da plateia agora não se deve ao abuso de jargões e siglas, mas às batalhas verbais entre os conselheiros. Mas o que chegou a ser pitoresco, começa a preocupar. As rugas crescentes estão travando a agenda regulatória como o mostrado na reunião desta  quinta, 12/12.

A vítima da vez foi o edital do leilão do 5G, que a Anatel chegou a sugerir seria realizado no primeiro trimestre de 2020. A esta altura, se conseguir enviar para consulta pública até aquela data, já será um sucesso. Aparentemente inconformado com a nova proposta que modifica completamente a que apresentou em 17/10, o relator original, Vicente Aquino, tentou novo pedido de vista. Com a confusão criada pelo ineditismo do pleito, o voto-minerva, Moisés Moreira, foi quem levou o processo para estudar até uma próxima reunião. 

As farpas ocasionais se tornaram bate-bocas nas reuniões da agência desde julho. Primeiro, admoestações públicas de contrariedade com decisões administrativas ou pedidos de nomeações. Depois, os adjetivos foram aumentando a temperatura: desserviço, posição lamentável, temeridade, busca de holofote, manobra, estupidez. 

E se as palavras já denotam o clima, pode se enxergar o mesmo mal-estar nos procedimentos. Especialmente no controle dos prazos processuais. Nesta mesma quinta, o presidente da agência, Leonardo de Morais, chegou a negar (coisa rara no colegiado) duas novas prorrogações de vista pedidas por Vicente Aquino. O conselheiro queria mais 120 dias em cada um de dois processos sobre temas considerados urgentes: os novos regulamentos de outorga e licenciamento e o de controle dos bens reversíveis diante das mudanças no marco legal do setor. 

O que trata dos bens reversíveis está no Conselho Diretor desde março de 2018, tendo sido transferido para o atual relator, Vicente Aquino, em fevereiro deste ano. O regulamento de outorgas e licenciamento está com ele desde julho de 2019. Morais sustentou que o próprio TCU pede mais celeridade da Anatel. “Não julgo razoável nova dilatação tão extensa, que impacta a previsibilidade de investimentos no setor e as recomendações da Corte de Contas, que não podem ser continuamente deixadas de lado.” A questão virou impasse, pois faltou um quinto voto decisivo.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Claro defende troca de streaming por TV e aumenta prazo para inadimplentes

Em carta enviada à Anatel, operadora também promete parcelar dívidas e não cortar o serviço até 10 dias após o vencimento da faturas. Pequenas empresas em dificuldade poderão renegociar caso a caso. 

Oi terá 25 fazendas de energia renovável ainda em 2020

Tele ativou a primeira fazenda de energia solar em Francisco Sá (MG), com capacidade de gerar 350 mil kW/h por mês.

Telefônica/Vivo cede dados de assinantes ao Governo de São Paulo

Dados anônimos servem para identificar se as regras de isolamento social por conta do Coronavírus estão sendo cumpridas.

Indústria de Telecom pede ação urgente das prefeituras por mais antenas

Existem mais de 4 mil pedidos de instalação de antenas aguardando liberação de licenças dos municípios e a demanda por serviços de telecom só fez aumentar com a pandemia do Coronavírus. Dez entidades do setor se uniram para redigir um documento encaminhado para prefeitos do País.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G