TELECOM

Clima azeda no Conselho Diretor da Anatel e atropela agenda regulatória

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/12/2019 ... Convergência Digital

As reuniões do Conselho Diretor da Anatel já costumaram ser tão técnicas quanto enfadonhas. Não mais. O constrangimento da plateia agora não se deve ao abuso de jargões e siglas, mas às batalhas verbais entre os conselheiros. Mas o que chegou a ser pitoresco, começa a preocupar. As rugas crescentes estão travando a agenda regulatória como o mostrado na reunião desta  quinta, 12/12.

A vítima da vez foi o edital do leilão do 5G, que a Anatel chegou a sugerir seria realizado no primeiro trimestre de 2020. A esta altura, se conseguir enviar para consulta pública até aquela data, já será um sucesso. Aparentemente inconformado com a nova proposta que modifica completamente a que apresentou em 17/10, o relator original, Vicente Aquino, tentou novo pedido de vista. Com a confusão criada pelo ineditismo do pleito, o voto-minerva, Moisés Moreira, foi quem levou o processo para estudar até uma próxima reunião. 

As farpas ocasionais se tornaram bate-bocas nas reuniões da agência desde julho. Primeiro, admoestações públicas de contrariedade com decisões administrativas ou pedidos de nomeações. Depois, os adjetivos foram aumentando a temperatura: desserviço, posição lamentável, temeridade, busca de holofote, manobra, estupidez. 

E se as palavras já denotam o clima, pode se enxergar o mesmo mal-estar nos procedimentos. Especialmente no controle dos prazos processuais. Nesta mesma quinta, o presidente da agência, Leonardo de Morais, chegou a negar (coisa rara no colegiado) duas novas prorrogações de vista pedidas por Vicente Aquino. O conselheiro queria mais 120 dias em cada um de dois processos sobre temas considerados urgentes: os novos regulamentos de outorga e licenciamento e o de controle dos bens reversíveis diante das mudanças no marco legal do setor. 

O que trata dos bens reversíveis está no Conselho Diretor desde março de 2018, tendo sido transferido para o atual relator, Vicente Aquino, em fevereiro deste ano. O regulamento de outorgas e licenciamento está com ele desde julho de 2019. Morais sustentou que o próprio TCU pede mais celeridade da Anatel. “Não julgo razoável nova dilatação tão extensa, que impacta a previsibilidade de investimentos no setor e as recomendações da Corte de Contas, que não podem ser continuamente deixadas de lado.” A questão virou impasse, pois faltou um quinto voto decisivo.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Oi libera franquia de dados para PME usar a plataforma Microsoft Teams

Empresa também disponibilizará, a partir do dia 10 de abril,  de forma gratuita, o serviço “Siga-me” para os telefones fixos dos seus clientes nas seguintes UFs: DF, GO, PR, SC e RS. No final do mês de abril, o serviço estará disponível para todo o país.

Claro defende troca de streaming por TV e aumenta prazo para inadimplentes

Em carta enviada à Anatel, operadora também promete parcelar dívidas e não cortar o serviço até 10 dias após o vencimento da faturas. Pequenas empresas em dificuldade poderão renegociar caso a caso. 

Oi terá 25 fazendas de energia renovável ainda em 2020

Tele ativou a primeira fazenda de energia solar em Francisco Sá (MG), com capacidade de gerar 350 mil kW/h por mês.

Telefônica/Vivo cede dados de assinantes ao Governo de São Paulo

Dados anônimos servem para identificar se as regras de isolamento social por conta do Coronavírus estão sendo cumpridas.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G