Home - Convergência Digital

Escola de programação no Brasil só cobra depois do aluno receber o primeiro salário

Convergência Digital - 12/12/2019

De acordo com um estudo da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), há uma expectativa de criação de 420 mil novos empregos no segmento de tecnologia no Brasil até 2024. Destas vagas, estima-se que 150 mil não devem ser preenchidas por falta de pessoal qualificado. Para suprir essa necessidade do mercado, a escola norte-americana de programação Kenzie Academy chega ao País em janeiro de 2020 com uma proposta diferente e bastante atrativa: o aluno estuda, forma-se e só paga o curso após conseguir um emprego e ganhar seu primeiro salário.

Com sede em Indianápolis, nos Estados Unidos, a Kenzie traz para o Brasil um modelo de pagamento diferenciado para os estudantes. Nessa instituição de ensino, que será inaugurada em Curitiba (PR), o aluno tem a possibilidade de ingressar sem mensalidades no curso, pagando pela sua formação somente após conseguir um rendimento de no mínimo R$ 3.000,00. Para isso, a Kenzie se responsabiliza em ajudar o formado, colocando-o em contato com diversas empresas empregadoras e o apoiando com o ensino de habilidades e conhecimentos importantes para o ingresso no mercado profissional.

Como parte da expansão no Brasil, a Kenzie está trabalhando com grandes empresas como Ebanx, James Delivery, Social Wave, Banco Bari e CPlug, como os primeiros parceiros de contratação. Essas parcerias ajudarão os estudantes da Kenzie Academy Brazil a conseguirem seu primeiro emprego no mercado de tecnologia.

Para o CEO da Kenzie Academy Brasil, Daniel Soifer Kriger, trazer a Kenzie ao País irá contribuir com a economia brasileira e gerar novas oportunidades de desenvolvimento profissional para os interessados. “O crescimento acelerado do mercado de tecnologia brasileiro exige uma mão de obra específica e qualificada, que a educação tradicional não está dando conta de formar. E acredito que o tipo de educação que estamos oferecendo vai aumentar a capacidade competitiva do Brasil em tecnologia e inovação. Além de possibilitar qualquer pessoa a ingressar no mercado de tecnologia", afirma.

As aulas são dinâmicas, atualizadas, com metodologia ágil e conteúdo multidisciplinar, focando nas habilidades técnicas e desenvolvendo o pensamento crítico, ensinando o aluno a buscar conhecimento. Com duração de um ano (40 horas semanais), o curso oferece mais de 2.000 horas de aulas que utilizam uma metodologia comprovada nos Estados Unidos, unindo ensinamentos online e presenciais com suporte e mentoria de uma equipe especializada. Além disso, oferece orientação e ajuda na preparação para entrevistas de emprego, montagem do portfólio, entre outros.

A primeira turma no Brasil começa no dia 28 de janeiro, com apenas 15 vagas. “A Kenzie já está mudando as vidas e carreiras de inúmeras pessoas nos EUA, com mais de 500 alunos matriculados. Agora, estamos trazendo o mesmo nível de acesso ao Brasil”, finaliza Kriger. Para mais informações acesse: www.kenzie.com.br

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/10/2020
edTech nacional cria escola para formar programadores Web

21/09/2020
Julia, R e Scala: as linguagens de programação para ciência de dados

17/09/2020
Stefanini promove Maratona de Desenvolvimento 2020

11/09/2020
Procura por programador chegou a crescer 157% no Brasil por conta da Covid-19

25/08/2020
São Paulo tem 25 mil bolsas para formar programadores de games

24/08/2020
Escola de programação promove maratona de programação exclusiva para mulheres

06/07/2020
Governo de SP e startup abrem 50 mil bolsas de estudo gratuitas para cursos de programação

26/05/2020
Carrefour vai qualificar gratuitamente 25 mil profissonais de TI

22/05/2020
Santander Coders oferece 240 bolsas para desenvolvimento mobile

15/05/2020
Mais de 10 mil mulheres estão inscritas para o Santander Coders

Startup cria time de cientistas de dados para avançar nos negócios

Com sede nos EUA, a Fligoo atua nos segmentos de finanças, educação e saúde, e sabe da relevância de ter profissionais capacitados para lidar com os dados. "Prepare-se o tempo todo. Estude. Não espere a necessidade chegar", aconselha Leandro Ferrado.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Teletrabalho: sem regulamentação, sem direitos, sem deveres, sem regras

Depois da nota técnica do MPT alertando para o direito à desconexão, Congresso tenta acelerar a votação dos PLs que tratam do tema, entre eles o PL 3915/20. O tema é complexo. IN 65, do governo federal, repassa os custos com tecnologia para os servidores no home office.

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site