GESTÃO

Governo estuda como transferir dados para Serpro e Dataprev pós-privatização

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/12/2019 ... Convergência Digital

O setor privado adora apontar os méritos da transformação digital, mas é na administração federal, pelo próprio contraste com o estereótipo do guichê, que esse movimento chama mais atenção. Nas contas da Secretaria de Governo Digital, 503 serviços públicos passaram a ser totalmente fornecidos pelo celular, 20 dias antes de 2019 acabar e 20% acima da meta deste ano. 

“Isso representa R$ 1,7 bilhão de economia. O serviço digital é mais barato do ponto de vista de oferta para os órgãos públicos e é muito mais barato e adequado para o cidadão brasileiro, que consegue usar pelo celular, sem sair de casa, onde ele quiser, 24 horas por dia, 7 dias por semana”, afirma o secretário de Governo Digital, Luis Felipe Monteiro, em entrevista ao Convergência Digital.

Segundo ele, há total compromisso do Planalto com a transformação digital é pleno. “Até o fim de 2022 o governo será 100% digital.” Mas há duas incógnitas gigantes nesse caminho: Serpro e Dataprev, as principais empresas de TI do governo federal. A combinação de informações fiscais e previdenciárias já faz do Executivo o maior repositório de dados pessoais do país. E ainda não se sabe o que acontecerá com eles. 

“Serpro e Dataprev estão em estudo de possibilidade de privatização, ou outro modelo que se venha a concluir. E esse estudo envolve análise sobre os dados que essas empresas possuem, como esses dados podem ser transferidos para uma empresa futuramente privatizada e qual o nível de gestão que o governo terá a respeito desses dados”, diz Monteiro. 

Ao mesmo tempo, ele reforça que o governo estará 100% aderente à Lei Geral de Proteção de Dados (13.709/18) e os dados dos brasileiros, seguros. “Nossa principal preocupação é que o programa de transformação digital continue acelerado, que os dados dos cidadãos estejam protegidos e seguros, e que do ponto de vista comercial e operacional o governo faça as melhores contratações, aquelas que tenham o melhor resultado no menor custo possível.”

Protagonista nesta estratégia é a decisão de uso crescente de recursos de computação em nuvem. “Neste ano tivemos a capacidade de oito órgãos federais aderirem ao contrato de licitação de nuvem. Outros três órgãos estão em processo de adesão. Queremos ampliar essa adoção de nuvem nos próximos anos. O caminho do governo é definitivamente o uso de nuvem em larga escala.”


eSocial: Recolhimento previdenciário de maio adiado para novembro

Gestão do sistema avisa que vai ajustar a DCTFWeb para emitir DARF com os novos vencimentos. 

Governo abre espaço às fintechs para cessão de empréstimo às PMEs

Ministério da Economia diz que o fundo garantidor de R$ 15,9 bilhões do Tesouro Nacional já foi liberado às instittuições. Hoje apenas o Bancoop está apto a habilitar o crédito, mas está liberada a participação das fintechs, bancos cooperados e dos bancos tradicionais.

Ex-presidente dos Correios assume o ITI

ATUALIZADA - Carlos Roberto Fortner, que comandou a ECT em 2018, como o Convergência Digital antecipou foi nomeado para o cargo. Atual presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, Marcelo Buz, se despediu do posto pelas redes sociais. 

Serpro procura imóvel para nova sede em Brasília e espera cortar custo em 30%

Ao pedir ofertas a interessados, estatal indica buscar espaço menor que atual e com capacidade para 700 funcionários. Atualmente são cerca de 1,1 mil. Movimento será repetido nos estados. 




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G