INCLUSÃO DIGITAL

Governo vai preparar novo plano para cidades digitais com modelo da UIT

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/12/2019 ... Convergência Digital

Eleita como uma das prioridades da estratégia nacional para a internet das coisas, a vertical ‘Cidades’ é a terceira (antes indústria e agro) a ganhar uma Câmara de discussões entre governo, setor privado, academia e Parlamento, chamada de ‘Cidades 4.0’. Com ela, o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações busca reorganizar os incentivos às cidades digitais, repaginadas como Cidades Inteligentes Sustentáveis. 

“O primeiro passo será um sistema informatizado para conhecer a realidade das cidades. Hoje temos bons projetos de cidades inteligentes, exemplos como Campinas e Curitiba, mas são casos isolados. Vamos colocar indicadores no sistema e a partir daí saberemos quem somos no que diz respeito às Cidades 4.0”, explicou o secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Menezes. 

Segundo ele, “será instituída uma política pública, via Decreto presidencial, baseada em recomendações da União Internacional de Telecomunicações, com o modelo de maturidade e um framework de como fazer a avaliação dessas cidades”.

O modelo leva em conta níveis de 1 a 5, começando por aqueles com algum planejamento para se tornar inteligente, passando para aquelas com ações alinhadas a esse planejamento, pelas que têm implementação, as que já saltaram para a integração entre serviços e outras unidades da federação e finalmente aquelas efetivamente implantadas e em fase de otimização. 

Os diagnósticos vão alimentar a recém instituída Câmara Cidades 4.0, que já nasce associada a um acordo de cooperação entre o MCTIC e o Ministério de Desenvolvimento Regional para desenvolver um novo programa de estímulo às cidades digitais. Segundo estima o secretário de Telecomunicações, esse novo plano deve ser apresentado até o fim do primeiro semestre de 2020. 


Carreira
Accenture abre mais de 550 vagas em TI

Vagas são para home office e consultoria busca profissionais com conhecimento em Cloud, Java, APIs & Microsserviços, Node.js, Angular, React, Reactive Native, iOS, Android, Arquiteto Cloud ou DevOp.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.

Licitação do MEC abre espaço para MVNOs na oferta de banda larga móvel gratuita

Propostas têm de ser enviadas ao governo até o dia 17. Contratação acontece ainda em julho. O preço de referência da RNP para este processo é de R$ 0,56 GByte/mês sem ICMS, considerando um pacote de dados de 20 Gbytes, para a quantidade de 5.000 alunos. 

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Maior parte dos usuários vai para fazer pesquisa escolar e digitar currículos ou outros documentos. Conexão à Internet melhorou, mas a maioria tem conexão entre 1 Mpbs até 5 Mbps.

MEC exige energia elétrica nas escolas para levar banda larga

Escolas precisam também estar  em área de cobertura terrestre ou via satélite, e ter mais de 14 matrículas em 2020. 

No Brasil, 4,8 milhões de crianças e adolescentes não têm acesso à Internet

A desigualdade digital e social se evidencia quando se constata que a maior parte dos sem acesso está nas classes D e E e nas regiões Nordeste e Norte. O celular é o meio principal de contato com a rede social.

No Brasil, 39% dos alunos das escolas públicas não têm PCs, notebook ou tablet para estudar

A TIC Educação 2019 constata ainda que nas escola rurais, apenas 40% delas têm um PC ou uma conexão à Internet.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G