Home - Convergência Digital

Anatel diz ao CADE que compra da Nextel pela Claro respeita limite de espectro

Luís Osvaldo Grossmann - 05/12/2019

A Anatel respondeu ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica que a compra da Nextel pela Claro não viola os limites de espectro que cada operadora móvel pode concentrar no Brasil. Ou seja, que do ponto de vista técnico, a operação está dentro das regras de mercado. 

Órgão antitruste reabriu análise do negócio depois que a TIM criticou a concentração de radiofrequências pelo concorrente. A tele alega que a compra da Nextel, por R$ 3,47 bilhões, deixa a Claro em posição concorrencial indevida na pela concentração de espectro e pede “medidas para limitar, ainda que de forma temporária, a vantagem competitiva que a Claro deterá após a operação”. 

O Cade entendeu que a bronca pode mesmo ter impacto concorrencial e quis saber da agência como se dá a concentração de espectro para faixas de radiofrequência abaixo de 1 GHz e entre 1GHz e 3 GHz, alvos de uma mudança regulatória aprovada ainda no fim de 2018. 

A revisão das regras ampliou os limites e diferenciou-os caso se trate de frequência abaixo de 1 GHz e para aquelas entre 1 e 3 GHz. Nas mais baixas, o limite de concentração passa de 29% para 35% - ou seja, uma mesma operadora pode concentrar até 35% do total de espectro disponível, chegando até a 40% mediante condicionantes que poderão eventualmente ser adotadas. 

Para as faixas do espectro entre 1 GHz e 3 GHz, o limite de concentração passou de 21% para 30%, sendo que da mesma forma será possível autorizar mais, entre 35% e 40%, a depender das circunstâncias. Para as radiofrequências acima de 3 GHz não foi definido limite, ficando essa decisão a critério dos respectivos leilões de espectro.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/08/2020
STJ descarta preferência à Anatel para receber dívida da Oi

06/08/2020
Relator propõe enquadrar TV linear na internet como SVA e não como TV paga

06/08/2020
Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

05/08/2020
Anatel lança guia para ajudar pequenos prestadores e ISPs

04/08/2020
Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

04/08/2020
Anatel procura consultoria internacional para novo Plano Estratégico

31/07/2020
Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

23/07/2020
Anatel lança aplicativo que compara ofertas das operadoras

21/07/2020
Sem sabatina, Carlos Baigorri deixa o Conselho Diretor da Anatel

21/07/2020
Teles e TVs brigam por R$ 1 bilhão da TV Digital e Anatel busca consenso

Destaques
Destaques

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site