Clicky

Telefónica abre mão da América Latina, mas mantém Brasil no centro da estratégia

Ana Paula Lobo* ... 27/11/2019 ... Convergência Digital

A Telefônica decidiu vender seus negócios na América Latina e manter apenas o Brasil. Serão vendidas as unidades da Argentina, México, Chile, Peru e Equador. Oficialmente, a operadora fala em uma 'separação operacional' dos negócios em língua espanhola na região. A Telefónica centrará suas atenções nos mercados da Espanha, Reino Unido, Brasil e Alemanha, revelou nesta quarta-feira, 27/11, o presidente-executivo, Jose Maria Alvarez-Pallete.

Isso significa que o duopólio que se viu na América Latina - o embate entre a América Móvil (Claro) e a Telefónica - está perto de acabar e a operadora de Carlos Slim, dono da Embratel, Claro e NET no Brasil, reinar absoluta nos países latino-americanos. No Brasil, a disputa entre as teles se manterá, pelo menos é o que adiantou Pallete, em entrevista coletiva após a reunião do conselho de Administração, em Madrid.

“O modelo está esgotado e precisamos nos reinventar”, afirmou aos jornalistas. A estratégia prevê reagrupar as atividades de cibersegurança e computação em nuvem, de olho em obter mais de 2 bilhões de euros por ano em receita adicional até 2022. Pallete foi além: revelou que a Telefónica vai conduzir uma revisão estratégica e que está aberta a fusões e aquisições.

A companhia acredita que a receita adicional virá de uma nova unidade, batizada de Telefónica Tech, formada inicialmente pelo grupamento dos negócios da empresa nas áreas de cibersegurança, Internet das Coisas e computação em nuvem. “Tudo será conectado e emitirá informações em tempo real, então haverá uma explosão de dados”, disse o presidente da Telefónica. A empresa também informou que vai criar uma unidade para abrigar sua carteira de torres de comunicações. A divisão fornecerá serviços para outras operadoras e incorporará parceiros.

*Com informações de agências de notícias


Internet Móvel 3G 4G
Operadoras abraçam Open RAN aberto, mas cobram financiamento da União Europeia

Telefónica, Deutsche Telekom, Orange e Vodafone assinaram um acordo para promoção de redes de acesso abertas e interoperáveis (Open RAN), mas pedem recursos para ter implantação massiva a partir de 2022.

Minicom cede Artur Coimbra para ser corregedor da ANPD

O secretário de radiodifusão, Max Martinhão, acumula interinamente a Secretaria de Telecomunicações. Segundo a pasta, ainda não há novo nome para substituir Artur Coimbra.

Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

Estudo indica valores semelhantes aos projetados pela Anatel, de R$ 1,1 bilhão para o uso de filtros e R$ 1,8 bilhão para mudança da recepção de antenas para a banda Ku.

Anatel apreende 15 mil carregadores de celulares na 25 de Março, em São Paulo

Equipamentos não homologados foram avaliados em R$ 180 mil e foram recolhidos em um único distribuidor. Outros 11 mil carregadores foram apreendidos em três operações durante o mês de novembro.

TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

Operadora informa que vai ter o 5G DSS em 12 capitais para testes em bairros, mas sustenta que a transparência é crucial. "O 5G DSS tem latência do 4G", afirma o CTIO, Leonardo Capdeville. Nas capitais, o 5G DSS será exclusivo para mobilidade. O acesso banda larga fixa - FWA - continuará em piloto.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G