SEGURANÇA

GSI: Segurança cibernética é um assunto 'seriíssimo' e exige ações imediatas

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/11/2019 ... Convergência Digital

O avanço das tecnologias de comunicação e da conectividade ubíqua incentivou o governo federal a adotar um processo de digitalização de serviços para oferta via internet e o uso e compartilhamento de dados como ferramentas de políticas públicas. Mas como repetidamente ressaltado durante o 7º seminário Cyber Security – Gestão de Risco no Governo, promovido nesta quarta, 27/11, pela Network Eventos em Brasília, a custódia e uso de dados pelo governo exigem garantias cada vez maiores de segurança da informação. 

“No Brasil, todos os órgãos públicos, federais e estaduais, utilizam a internet. Praticamente todas as empresas privadas usam e a internet está disponível em 75% dos domicílios. No entanto, somos o 70º lugar no ranking global de segurança cibernética, o que indica baixa maturidade. Exige educação para segurança, sensibilidade para o problema e um instrumento legal de âmbito nacional”, defendeu o diretor do departamento de Segurança da Informação do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Antonio Carlos Freitas.

Ele explicou que neste momento o governo trabalha na estratégia de segurança da informação e especialmente em instrumentos dela derivados, a começar por um plano nacional de tratamento e resposta a incidentes. “É um assunto seriíssimo. As empresas e os órgãos públicos precisam não só se preocupar com ele, mas planejar e executar medidas voltadas para a segurança cibernética”, completou.

Como apontou o assessor do Centro de Tratamento e Resposta a Incidentes Cibernéticos de Governo, Democlydes Carvalho, a primeira realidade que se impõe é a ausência de fronteiras na internet. “É utopia imaginar fronteiras dentro de uma grande rede como é a internet. Nações procuram isso, mas temos uma infraestrutura que gera grande conectividade entre todos, sem controle centralizado. Hoje mais de 90 mil sistemas autônomos, só no Brasil são quase 7 mil. Nesse contexto, ataques são cada vez mais potentes e fáceis de serem realizados.”

Ou ainda, como lembrou o superintendente de segurança da informação do Serpro, João Vieira Almeida Junior, um novo contexto de facilidades tecnológicas. “Tanto para Estado como para a sociedade. Analytics, Big Data, novidades que estão em mãos de pessoas que farão bom uso, mas também  em mãos de quem fará mau uso dessa tecnologias.”

Tal consciência pesa sobre o trabalho de transformação digital do Poder Público. “Envolve digitalização de serviços, interoperabilidade, compartilhamento de dados, unificação de canais digitais. E naturalmente tudo tem que ser feito com preocupação muito grande em relação à segurança cibernética”, emendou o coordenador geral de segurança da informação da Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, Anderson Sousa. 

Segundo ele, a realidade impõe o compartilhamento de riscos entre todos os envolvidos. “A gente acredita em modelo de risco compartilhado, onde o risco é compartilhado entre o gestor ofertando a solução, entre o fornecedor que operacionaliza aquela solução, e também entre os usuários.”


Globo afirma que ataque hacker não 'roubou' dados de usuários

Houve duas invasões ao sistema de notificações push da Globoplay e da GShow no final de semana. O ataque teria sido conduzido por um grupo hacker da Arábia Saúdita. Segundo a Globo, 'invasores se limitaram a enviar mensagens para toda a base'.

Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.

Cibercrime usa Coronavírus para roubar dados pessoais no WhatsApp

Golpe oferece suposto kit gratuito com máscara e álcool gel - a ser dado pelo Governo Federal - para atrair as pessoas mais nervosas em relação à pandemia.

RNP terá programa para formar profissionais em Segurança Cibernética

O diretor da área na Rede Nacional de Pesquisa, Emilio Nakamura, assegura que a intenção é 'acelerar a formação de novos profissionais não apenas na Academia, mas também na inovação aberta'.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G