Home - Convergência Digital

NLT:Sem desoneração do Fistel, o negócio de IoT não para em pé

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo e Rafael Mariano - 25/11/2019

A Next Level Telecom, NLT, que entrou em operação em abril deste ano usando a rede da Vivo, não quer o 5G, mas tem total interesse em aumentar a sua participação no mercado de Internet das Coisas, mas há questões graves para serem corrigidas, entre elas, a cobrança do FISTEL. "Precisamos fazer o negócio parar em pé e com a tributação imposta fica muito complexo. Tomara que a desoneração do FISTEL realmente aconteça", sustenta o CEO da NLT, Adalmir Assef.

Em entrevista à CDTV,do Convergência Digital, durante o XII Seminário TelComp 2019, realizado no dia 12/11, Assef assegura que há espaço no Brasil para todo tipo de prestador de serviços. "Eu quero o cliente da base da pirâmide, aquele que não tem o atendimento das teles". Assistam a entrevista com o CEO da NLT, Adalmir Assef.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/11/2019
TelComp: conflito do uso do poste não tem uma solução única

27/11/2019
VINCI Partners: 'jeitinho' não tem vez na atração de investimento

27/11/2019
TIM e BRDigital unem forças para aumentar IoT e 4G no campo

25/11/2019
OVUM:Consolidação é inevitável nas operadoras competitivas

25/11/2019
NLT:Sem desoneração do Fistel, o negócio de IoT não para em pé

22/11/2019
Horizons Telecom vai às compras para ser nacional

22/11/2019
Algar Telecom: teste real comprova a transformação feita pelo 5G

19/11/2019
Vero Internet vai às compras para ir além de Minas Gerais

19/11/2019
Americanet define 5G como estratégico no seu negócio

18/11/2019
Vogel Telecom entra na disputa pelo mercado de atacado e redes neutras

Destaques
Destaques

O carro será uma Internet das Coisas

A projeção é do CIO para a América Latina da Fiat Chrysler Automobiles, André Souza Ferreira. Segundo ele, como um dispositivo conectado, o carro será um provedor de serviços ao cidadão.

Mercado cinza de smartphones explode e cresce 500% no Brasil

Invasão dos celulares piratas acontece pela venda de marcas chinesas e vendidas nos marketplaces, diz o o diretor de celulares da Abinee, Luis Cláudio Carneiro. São cerca de 4 milhões de smartphones piratas em uso, a maior parte vindo do Paraguai.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site