INOVAÇÃO

Carros autônomos se multiplicam, mas estão longe do mercado de consumo

Convergência Digital ... 18/11/2019 ... Convergência Digital

Até 2023, as adições globais de veículos equipados com hardware que permite direção autônoma sem supervisão humana constante devem somar 745,7 mil unidades, quase seis vezes as 137,1 mil unidades produzidas em 2018, segundo a consultoria Gartner. 

Um salto significativo já se verificou em 2019, quando a adição de unidades equipadas para direção autônoma somará 332,9 mil – crescimento predominantemente puxado pela América do Norte, China e Europa, onde surgiram as primeiras regulações sobre essa tecnologia. 

A Gartner lembra que as adições anuais verificadas não retratam vendas físicas, mas indicam uma mudança na rede de fornecimento para veículos considerados “prontos para automação”. 

“Atualmente não há veículos autônomos avançados além do estágio de pesquisa e desenvolvimento. Há veículos com capacidades limitadas, que ainda dependem de supervisão humana. No entanto, muitos deles contém hardware, como câmeras, radar, ou mesmo sensores lidar, que podem suportar autonomia total, de onde ‘prontos para automação’”, explica. 

A distância para o mercado consumidor efetivamente começa no custo. Segundo a Gartner, mesmo considerando-se que o custo com sensores necessários à direção autônoma deve cair 25% até 2026, eles ainda serão proibitivamente altos. “Isso significa que na próxima década o avanço das funcionalidades de automação estejam disponíveis apenas em veículos ‘premium’ ou vendidos para frotas de serviços.”

Dispositivos lidar, sigla em inglês para detecção remota de luz, podem custar o equivalente a R$ 300 mil cada  unidade, muito mais que o preço de um carro médio, o que deixa altos níveis de tecnologia de automação veicular fora do alcance da maior parte do mercado por algum tempo. 


Cloud Computing
IA Carol, da TOTVS, liderou força-tarefa por soluções no combate à Covid-19

A ferramenta de inteligência artificial  da empresa de ERP foi usada para desenvolver soluções emergenciais como registro de ponto remoto e de entrega de alimentação pelos apps, conta o VP da companhia, Marcelo Eduardo Cosentino. Sobre a LGPD, o executivo diz que a tarefa mais complexa é mudar o tratamento do dado nas companhias.


Indústria de semicondutores reage à liquidação da Ceitec

Em nota, associação nacional do setor indica “preocupação” com a medida. “Liquidação distanciará ainda mais o Brasil do conhecimento de ponta.”

OBr.Global promove bootcamps Live sobre empreendedorismo

Aceleradora, especializada em internacionalização das empresas, ensinará técnicas adotadas no Vale do Silício, nos EUA.

Política de informática foi feita para o hardware, mas deu certo com o software

Para Sílvio Meira, a estratégia que o Brasil quer desenhar para Inteligência Artificial precisa desafiar à produção nacional para trazer os resultados pretendidos.

Open Banking faz XP ir às compras no Brasil

XP anunciou a aquisição de participação majoritária na fintech Fliper, responsável, hoje, por mapear R$ 7 bilhões lem investimentos na sua plataforma.

Software livre venceu e desapareceu. Agora tudo é serviço.

Como lembrou o cientista e professor Sílvio Meira, ao participar do Convergência Digital em Pauta, até o Windows passou a rodar sobre fundação Linux.  O mundo, hoje, é de quem tem o serviço como diferencial de concorrência.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G