TELECOM

Teles estudam ampliar compartilhamento para viabilizar o 5G

Luís Osvaldo Grossmann ... 13/11/2019 ... Convergência Digital

Ao discutir as novas fronteiras regulatórias, especialmente na atual transição de um cenário de concessões para a competição plena, o próprio mercado avalia que novas formas de compartilhamento são chave para viabilizar os investimentos necessários para atender as novas demandas, e o crescimento ainda maior do tráfego com a chegada do 5G. 

“A situação da infraestrutura passa a ser crítica na perspectiva do 5G, uma vez que o adensamento de rede, de fibra, demanda uso e compartilhamento de infraestruturas que mudam a cadeia de valor. Como o setor vai se reinventar para poder atuar nesses novos mercados e quais os desafios regulatórios que os novos modelos de negócios tendem a trazer?”, provocou o superintendente de competição da Anatel, Abraão Silva. 

No workshop sobre o tema, realizado nesta quarta, 13/11, pela Anatel, os principais atores reforçam que apesar de iniciativas já existentes, o compartilhamento precisa avançar para novos modelos. “Já existem soluções de compromissos associados a edital, à substituição de sanções, TACs, multas. Mas o mais importante é a gente entrar na questão do compartilhamento, onde residem as maiores oportunidades”, afirmou o diretor do Sinditelebrasil José Alexandre Bicalho. 

Como pontuou, “a tecnologia 5G traz uma ampliação grande de demandas por sites, mas trazem oportunidades de virtualização de redes, que facilitam alguns mecanismos de compartilhamento”. O mais importante, emendou Bicalho, é que o mercado já despertou para isso. “Existe uma percepção das prestadoras de que está na hora de pensar um novo modelo de negócios para a questão da infraestrutura, no sentido de otimizar investimentos, reduzir custos e endereçar todos esses desafios.”

Segundo adiantou, o Sinditelebrasil está trabalhando em propostas. “Temos cenários avaliados e em breve um estudo para discutir com o Ministério e com a Anatel”. Um dos objetivos é superar a dificuldade no uso dos postes do setor elétrico. "Estamos estudando exatamente o crescimento de demanda que vai provavelmente gerar mais receitas para a administração de postes se ele estiver organizado, com mais demanda, com mais gente pagando, sem ocupação indevida. O que parece interessante é um modelo que enderece esse crescimento alto da demanda por postes, até porque não vai ter espaço para todos." 

O diretor do Sinditelebrasil também defendeu "políticas estruturadas intersetoriais, onde papel do Ministério da Economia é fundamental pela visão sistêmica de país". "É necessário e urgente que todos os setores envolvidos, Elétrico, Telecom, Ministérios, Anatel, outras agências comecem a pensar em novo modelo de infraestrutura compartilhada. Mas as alternativas de modelo ainda carecem de avaliação de impacto não só técnico, mas regulatório e concorrencial.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Dataprev contrata Claro por R$ 236 mil para ter fibra ótica no Rio de Janeiro

Contrato, publicado no Diário Oficial da União, prevê a interligação dos prédios do data center da estatal de TI no Rio de Janeiro à filial na mesma cidade, no bairro de Botafogo.

Autor da nova Lei das teles lidera entidade para brigar por banda larga

Ex-deputado Daniel Vilela vai presidir a Aliança Conecta Brasil F4, que nasce com apoio da Huawei, FiberX e da consultoria Teleco, mas quer novos associados. “Não existe economia digital sem infraestrutura”, afirma.

Consumidores: Banda larga é o serviço com menor satisfação, celular o melhor

Para a Anatel, como o padrão de consumo exige estar sempre online, percepção de qualidade é especialmente rigorosa com a conexão à internet.

Decreto da nova Lei de Telecom depende de acerto sobre renovação de frequências

“Entendemos que é melhor que a Lei também seja aplicada para os contratos vigentes e estamos tentando construir uma posição única de governo”, explica o secretário executivo do MCTIC, Julio Semeghini. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G